Na última semana aconteceu mais uma edição do Startupi Innovation Tour, evento de imersão que leva empreendedores, investidores e representantes de grandes empresas para conhecerem de perto os bastidores das empresas e startups que estão revolucionando o mercado. Nesta edição, com foco em Construtechs visitamos: Andrade Gutierrez, Cyrela, Construtech Ventures e Quinto Andar. Confira abaixo um pouco do que rolou.

O dia começou na sede do Startupi dentro do Co.W. Coworking Space, unidade Berrini, um dos maiores hubs de inovação da cidade. Geraldo Santos, Diretor Geral do Startupi, deu as boas-vindas para o grupo, dando um panorama sobre o ecossistema de startups e o papel do Startupi em fomentar o empreendedorismo no Brasil.

“Desde 2013 realizamos missões internacionais para diversos polos ao redor do mundo como Vale do Silício, Isarel e Londres. O nosso objetivo agora é mostrar o que existe de mais avançado em inovação em diversas cidades do País e em diferentes segmentos, para que as pessoas conheçam de perto as empresas que estão mudando o ecossistema de startups e como a tecnologia está impactando o dia-a-dia das empresas por todo o Brasil”.

Andrade Gutierrez

Andre Medina, Head de Inovação, recebeu o grupo e explicou sobre o trabalho da Andrade Gutierrez e também sobre as iniciativas de inovação da empresa. A Andrade Gutierrez destaca-se como uma das maiores empresas de engenharia da América Latina. Com sete décadas de atuação na área de construção pesada no Brasil, ela está presente em projetos industriais, obras de infraestrutura, mobilidade urbana, energia, óleo e gás e participou de ações para a Copa do Mundo e para os Jogos Olímpicos de 2016.

Para enfrentar os grandes desafios e inovar na forma de pensar e fazer engenharia, em 2017 a companhia criou o Digital Day, um programa de inovação que tem como objetivo aproximar a Andrade Gutierrez de empresas inovadoras que possuam soluções tecnológicas para o setor de Engenharia e Construção para serem aplicadas em projetos da empresa. Em 2018, a empresa resolveu ir além e criar o Vetor AG, uma aceleradora que hoje é responsável pelo programa de inovação aberta da Andrade Gutierrez.

O programa recebeu mais de 300 inscrições no primeiro ciclo e das sete startups selecionadas, cinco já foram contratadas pela Andrade Gutierrez. As tecnologias estão sendo utilizadas nas obras em andamento, são elas: ConstruCODE, Controller, Levitar, Magalhães Gomes e Maply.

Para o novo ciclo, que está com inscrições abertas, a empresa realizou um diagnóstico e identificou nove desafios de obras que deverão ser solucionados pelas startups neste ciclo: agilidade na captação de mão de obra local; otimização na logística de materiais, redução do tempo de tratamento térmico em soldagens; agilidade no lançamento de cabos em tubulações; apontamento de produção em tempo real; caracterização de solos otimizada; compactação de solos em climas desfavoráveis; canteiros sustentáveis; e gestão remota.

Para dar suporte aos participantes, o Vetor AG conta com um espaço de coworking no escritório da Andrade Gutierrez em São Paulo. As empresas selecionadas vivenciarão uma rotina de acompanhamento semanal da aplicação de suas tecnologias nas obras ou áreas corporativas da AG, receberão mentoria e também terão a possibilidade de receber investimento. 

Cyrela

Juliano Bello, responsável pela área de inovação da Cyrela, incorporadora e construtora de imóveis residenciais sediada no estado de São Paulo, foi quem recebeu o grupo e contou detalhes sobre os planos da companhia.

“Com mais de meio século de história, a empresa busca sempre se diferenciar no mercado, por isso, em 2016, passou a procurar parceiros e startups para alavancar seus negócios. Foi aí que criamos uma área dedicada exclusivamente a pensar inovação na empresa”, destaca Juliano.

A startup Nuveo foi uma das primeiras a ficar incubada dentro da operação da companhia. A Nuveo desenvolveu uma solução para pagamento de IPTUs dos imóveis da incorporadora, gerando economia para a empresa. Com isso, a Cyrela criou bastante gosto por ampliar esse contato e hoje conta com mais de 30 startups “parceiras”.

Segundo o executivo, a empresa está atuando com inovação em três frentes:

Do amanhã – estão estudando tudo o que é possível e o que pode substituir o negócio deles amanhã.

Cultura de inovação – fazer com que as áreas comecem a pensar em inovação todos os dias. Desde automação de uma planilha até algo disruptivo.

Novos negócios, novos mercados – Gerar business paralelo ao core da empresa.

Juliano conta que estão sempre em busca de inovação e novas soluções para amplificar suas entregas. Eles também procuram desenvolver as pequenas e médias empresas desse setor que podem contribuir com eles. Além disso, eles incentivam seus colaboradores a intraempreender e trazer soluções de inovação com o objetivo de otimizar e melhorar os processos internos.

Um exemplo disso foi a criação da CashMe, startup do segmento de home equity, que tem como objetivo agilizar a análise de crédito para quem busca um empréstimo financeiro utilizando um imóvel como garantia. A startup foi desenvolvida dentro da companhia. Segundo Juliano, a empresa vem acompanhando o mercado de home equity já há algum tempo e a decisão de ingressar neste ramo deu-se por conta da expertise da Cyrela no setor de crédito imobiliário.

A ideia da startup surgiu no momento de crise, quando alguns parceiros da Cyrela não conseguiam financiamento no banco. Dessa forma, formatamos o projeto de forma eficiente e criamos a startup internamente com essa finalidade. Para que este projeto saísse do papel, firmamos parcerias com sete startups e também com grandes empresas, como a AWS (Amazon), que está nos auxiliando neste desafio. A ideia de fazer todo processo dentro da Cyrela surgiu porque podemos oferecer agilidade e trazer custos atrativos”, destaca.

Além da CashMe, a Cyrela também investiu na criação de um espaço de coworking, com a finalidade de gerar negócios para startups do setor, além de fomentar a geração de novas empresas dentro de diversas esferas, como gestão, tecnologia, finanças, vendas, comunicação, entre outras. Essa iniciativa é conjunta com o MITHUB, associação criada pela Cyrela junto com outros grandes players do mercado imobiliário e construção, como CCP, Grupo Zap, a venture builder Construtech Ventures e a imobiliária Brasil Brokers, apoiado pela ClosedGap Ventures e BNZ for Startups.

Construtech Ventures

Bruno Loreto, Head do Construtech Ventures, nos recebeu no MITHUB e nos deu um panorama sobre o mercado das Construtechs no Brasil. O Construtech Ventures atua como uma venture builder focada na cadeia de construção e mercado imobiliário e hoje possui 10 startups no seu portfólio.

No Mapa Construtech Ventures, radar de monitoramento do setor terminado em novembro de 2018, existem mais de 562 startups em mais de 40 segmentos. Classificadas por áreas de atuação, a maioria das startups brasileiras têm soluções para o mercado imobiliário e o momento de compra, venda e aluguel do imóvel — são 199. O resto se divide em atividades ligadas ao uso dos imóveis (167), obra e execução da construção (147) e projetos e financiamento (49).

Segundo Bruno, o segmento é promissor. “Os investimentos em construtechs nos Estados Unidos já somam mais de US$1 bilhão e aqui no Brasil, a revolução também já começou. Acredito que nos próximos anos, haverá um boom das startups do setor”.

No Brasil, as startups da cadeia da construção receberam um total de R$289 milhões em investimentos só no primeiro trimestre de 2019. Isso é quase o total de investimentos conseguidos em todo o ano de 2018, que fechou com um volume de R$327 milhões.

Para impulsionar esse movimento, foi criado a Construtech Angels, primeira rede de investidores-anjo para o setor do Brasil. A rede, formada em parceria com a Anjos do Brasil, já conta com 46 participantes.

O objetivo é que a rede impulsione, com capital e conhecimento, startups brasileiras que resolvem problemas da construção e do mercado imobiliário. “Escolhemos investidores que acumularam experiência como gestores, executivos ou empresários nesse setor”, diz Loreto. “Dessa forma eles servirão também como mentores para as startups, ajudando-as a escolher os melhores caminhos.” Na média, os investidores da Construtech Angels trabalham há 13 anos na cadeia da construção. A rede conta com membros das regiões Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Nordeste.

No vídeo abaixo, Bruno fala sobre a experiência de participar do Startupi Innovation Tour:

Quinto Andar

A startup não poderia ficar de fora, pois é um grande case e vista como um possível unicórnio do setor. Juliana Jordão Machado, Head of Operations, nos recebeu para a última visita do dia e contou detalhes sobre a operação da startup.

O QuintoAndar, fundado em 2012, funciona como uma plataforma de aluguel de imóveis residenciais que nasceu para simplificar o processo de locação do início ao fim. As pessoas podem encontrar uma nova moradia ou disponibilizar sua casa ou apartamento para alugar, sem a exigência de um fiador. A empresa faz uma análise de crédito rigorosa e garante o pagamento do aluguel ao proprietário do imóvel.

A ideia nasceu de experiências pessoais de seus fundadores. Gabriel Braga gastou dias tentando alugar um apartamento em São Paulo porque as informações online eram insuficientes e ele não tinha um fiador na cidade e Andre Penha sofreu do outro lado, seu apartamento em Campinas ficou meses encalhado na mão de uma imobiliária e foi alugado em duas semanas quando ele tomou a frente do processo.

A ideia surgiu quando os dois estudavam na Universidade Stanford, na Califórnia, berço de empresas inovadoras como Google, Facebook e Instagram. As discussões evoluíram para projetos acadêmicos que destrincharam os problemas do setor imobiliário brasileiro e criaram soluções que despertaram o interesse de amigos, investidores e especialistas do setor. Entre os investidores da startup estão: General Atlantic, Kaszek Ventures, Ruane, Cunniff & Goldfarb, Qualcomm Ventures e QED.

Juliana Machado contou sobre a nova aposta da startup, o Quinto Andar Originals, onde a equipe da empresa faz uma vistoria técnica das funcionalidades do imóvel e da qualidade dos acabamentos. Após a vistoria, é feita uma sugestão de intervenções e reparos a serem realizados para que o imóvel se adeque ao padrão Originals. A reforma inclui ajustes funcionais e estéticos para melhorar as condições de aluguel do imóvel.

O QuintoAndar conta com um time de arquitetos e engenheiros que acompanha a obra e contrata os fornecedores. Um diferencial é que enquanto o imóvel não for alugado, não é preciso arcar com nenhum custo. Quando alugado, eles descontam mensalmente uma parte do valor do aluguel, que fica retido com o QuintoAndar, até quitar o valor total da reforma. Por enquanto, o serviço está disponível apenas em São Paulo, mas a startup pretende sim, expandir a oferta para outras cidades.

Outra novidade é que o Quinto Andar firmou uma parceria com uma das maiores imobiliárias de Belo Horizonte, a Casa Mineira. Essa aliança permitirá a Casa Mineira fortalecer a experiência oferecida ao cliente com mais tecnologia, mais garantia para os proprietários e menos burocracia para os inquilinos na hora de alugar imóveis residenciais.

Com a parceria, o QuintoAndar poderá oferecer aos proprietários de imóveis de Belo Horizonte um atendimento personalizado e serviços exclusivos da Casa Mineira, como avaliação profissional do imóvel para aluguel, acompanhamento de visitas, auxílio na divulgação do imóvel e utilização da plataforma do QuintoAndar.

A incorporação da carteira de imóveis para aluguel residencial do QuintoAndar aumentará em 50% o número de imóveis de locação anunciados para a capital no portal da Casa Mineira, que é hoje a imobiliária que possui a maior base da capital.

No vídeo abaixo, Juliana fala sobre a importância de um evento como o Startupi Innovation Tour:


Quer participar do próximo Startupi Innovation Tour e conhecer os bastidores do ecossistema de inovação? Veja a programação do tour setorial e comunidades e garanta sua vaga!