*Por Exame.com

O mundo já possui 344 unicórnios, ou negócios inovadores avaliados em um bilhão de dólares ou mais. Por trás de algumas dessas startups valiosas, inclusive as brasileiras, há um denominador comum: os fundos de investimento que as apoiaram.

Segundo a empresa de análises CB Insights, mais de dois mil fundos investiram nos unicórnios que conhecemos hoje. Por enquanto, 72% deles acertaram apenas uma vez, sendo responsáveis por um unicórnio.

Os 28% investidores restantes são um seleto grupo, responsáveis por criar até dezenas de startups avaliadas em um bilhão de dólares ou mais. Tais fundos foram apelidados de “caçadores de unicórnios” pela CB Insights. Veja, a seguir, quais são eles:

Os unicórnios queridinhos

Algumas startups bilionárias são as queridinhas dos fundos condecorados acima. A gigante de economia compartilhada de apartamentos Airbnb já recebeu recursos de oito dos dez maiores investidores de unicórnios. A Uber foi apoiada por seis deles. Em terceiro lugar está a startup de pagamentos Stripe, com cinco investidores da tabela acima.

O Brasil já possui seus próprios unicórnios, como o aplicativo de mobilidade urbana 99 e a fintech Nubank. Aportaram nessas startups alguns fundos da lista, como SoftBank, Tiger Global Management, Tencent, Sequoia Capital e DST Global. Outros fundos, como Andreessen Horowitz, apostaram em startups em estágio mais inicial, como a imobiliária Loft. Os caçadores de unicórnios já chegaram por aqui, à procura das próximas startups bilionárias.

*Por Mariana Fonseca para Exame.com.