Nos últimos anos, o número de mulheres que começaram a empreender cresceu muito, tanto no Brasil como em outros países. Embora ainda falte muito a ser conquistado, as mulheres estão cada vez mais ganhando espaço no mercado e mostrando seu potencial em diversas áreas.

Dados do Sebrae apontam que entre 2016 e 2018 houve um crescimento demográfico de 30% no número de mulheres empreendedoras.

Muitos dizem que “o futuro será feminino e empreendedor”, mas acreditamos que já estamos vivendo este momento agora. Existem muitas mulheres em cargos de liderança, à frente de startups de tecnologia e fundos de investimento, que estão realmente revolucionando o mercado.

Diariamente noticiamos casos de sucesso de negócios liderados por empredendoras e para dar um maior enfoque decidimos no mês de março, fazer uma série de ações incluindo matérias especiais, eventos e uma edição do Startupi Innovation Tour, com destaque para liderança feminina.

Com isso, queremos cada vez mais inspirar mulheres super poderosas a nao terem medo e lutarem contra todo e qualquer preconceito que ainda possa existir no ecossistema de startups. Veja nossa programação especial de março e participe!

Startupi Innovation Tour – Especial Mulheres

O Startupi Innovation Tour é uma imersão no ecossistema de startups e empresas de tecnologia e inovação que estão fazendo a diferença em seus mercados.

Durante o tour você estará em contato com os fundadores dessas startups, empreendedores, e entusiastas de inovação trocando muito conteúdo e conhecimento que com certeza, fará a diferença para o seu negócio e também seu dia a dia.

A edição especial Mulheres acontecerá dia 21 de março em São Paulo. Veja só quem está na lista e clique aqui para se inscrever, somente 15 vagas!

Feira Preta – O Instituto Feira Preta faz o mapeamento do afro-empreendedorismo no Brasil. Atua como aceleradora e incubadora de negócios negros em diferentes segmentos. Sua fundadora, Adriana Barbosa, é referência para muitas mulheres empreendedoras. Ela está entre os 51 negros mais influentes do mundo e foi a primeira brasileira a ganhar um prêmio no MIPAD (Most Influential People of African Descent), premiação mundial para afrodescendentes realizada em Nova York, nos Estados Unidos.

Mastertech – A Mastertech é uma escola de habilidades do século XXI, que usa uma metodologia que afirma que qualquer pessoa pode aprender qualquer coisa. Sua fundadora é Camila Achutti, Formada em Ciência da Computação pela USP e também mestranda pela mesma instituição, estagiou no Google na Califórnia e trabalhou para a Iridescent Learning, ONG americana de educação a distância do movimento maker. Decidiu voltar para o Brasil e empreender para fazer o que ama: mostrar o poder de transformação da tecnologia e do empreendedorismo.

Escola de Você – A 1ª escola de habilidades comportamentais (soft skills) do Brasil focada no desenvolvimento de times femininos. Fundada pelas jornalistas Ana Paula Padrão e Natalia Leite, os cursos da Escola de Você entregam, além das habilidades técnicas específicas de cada assunto, as competências sócio-emocionais necessárias para que cada uma possa se conhecer, se entender e superar os estereótipos culturais que a limitam

Klikey – A startup tem como missão revolucionar as transações imobiliárias e desbancar os métodos tradicionais e ultrapassados do mercado imobiliário, facilitando desde o anúncio até a negociação final do imóvel.  A sua fundadora, Cláudia Rosa Lopes, uniu a experiência de mais de 20 anos do mercado imobiliário com seu “expertise” na área de tecnologia e viu nesse mercado uma necessidade não atendida, da desburocratização dos processos ajudando até nas desnecessárias filas em cartórios.

Trustvox – Formada em publicidade e propaganda, Tatiana Pezoa fundou a empresa com o propósito de tornar a sinceridade padrão no e-commerce, garantindo transparência e transmitindo confiança dos lojistas para os consumidores. O segmento de e-commerce sempre foi dominado por homens e essa foi uma das principais dificuldades enfrentadas por ela, principalmente quando precisava falar com investidores ou fazer algum tipo de negociação. Mas, ela enfrentou essas barreiras e foi em busca de mostrar para os profissionais da área que ela tem conhecimento e propriedade sobre aquilo que está sendo dito.