O Grupo Boticário anunciou a abertura da 57º Edição da Fundação Grupo Boticário – Novas Ideias para a Conservação da Natureza. Para participar os pesquisadores de todo o Brasil devem se inscrever pelo site e cadastrar seus projetos ligados à conservação da biodiversidade. As inscrições vão até o dia 31 de março e, diferentemente dos outros anos, essa será a única chamada para o projeto.

Os projetos passarão por uma triagem onde devem comprar vínculo com instituições sem fim lucrativos, como: fundações de universidades, ONGs e associações. Os selecionados terão ao todo o equivalente a R$ 2 milhões para desenvolverem suas iniciativas.

 Fiquem atentos as áreas contempladas para este edital:

Unidades de conservação de proteção integral e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs): propostas que contemplem a criação ou a ampliação de unidades de conservação em áreas continentais ou marinhas. Serão priorizados projetos que se tornem referência em gestão, uso público, pesquisa e que tragam benefícios para as comunidades do entorno.

Espécies ameaçadas: iniciativas que promovam a conservação de espécies nativas ameaçadas e que tenham impacto positivo em seu status de ameaça.

Ambientes marinhos: projetos que façam conexões entre diferentes atores-chave envolvidos em áreas marinhas protegidas, proteção de espécies ameaçadas e fortalecimento de instrumentos de proteção da biodiversidade marinha diante de pressões como sobrepesca, turismo predatório e exploração inadequada de recursos naturais.

Inovações e novas tecnologias para a conservação da natureza: serão selecionadas iniciativas que proponham novas formas de monitoramento da biodiversidade e o desenvolvimento de dispositivos que contribuam para a conservação de espécies e ecossistemas.

Ao todo, nos 28 anos em que o programa da Fundação acontece, 1.563 iniciativas foram apoiadas por todo o país, somando um investimento de cerca de R$ 80 milhões.

“Nosso foco reforça o comprometimento com a conservação, seja em ambientes continentais ou marinhos, em todos os biomas. Porém, os oceanos estão cada vez mais em evidência. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU são muito baseados na qualidade de vida que vem dos mares e parte das mudanças climáticas também passa pela conservação dos oceanos. Por isso, destacamos os ambientes marinhos em nossos editais. Também queremos promover a integração das diferentes áreas do conhecimento, unindo esforços em prol da conservação”, afirma o coordenador de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Robson Capretz.