* Por André Martins

Quão eficaz é o programa de desenvolvimento de liderança da sua empresa? Se respondeu que, provavelmente, poderia ser muito melhor, você não está sozinho. Apesar dos investimentos significativos – a indústria de programas de treinamento e desenvolvimento de liderança movimenta hoje nos EUA US$ 14 bilhões -, muitas organizações e especialistas duvidam que a maioria dos esforços corporativos para preparar futuros líderes esteja dando resultados.

Essa desconfiança, contudo, não significa que não vale a pena investir numa linha de liderança interna robusta para preencher os principais cargos – afinal, as pessoas estão em constante movimento, buscando novas oportunidades, mudando de empresa, de cidade, de país e se aposentando. Claro, é possível trazer candidatos externos para preencher as lacunas de liderança, mas tende a ser mais caro e complicado do que preparar e formar bons líderes, aproveitando o quadro da empresa.  

Há uma conexão estreita entre desenvolvimento de liderança e envolvimento e retenção de funcionários. No mundo corporativo moderno, o colaborador quer ser desafiado a aprender e crescer constantemente, e se sente desestimulado quando o desenvolvimento e crescimento profissional ficam estagnados. O resultado é o aumento da rotatividade, que tem um custo elevado para as empresas. Os jovens da geração millenium são pragmáticos quando se trata de trabalho. Segundo pesquisa realizada em 2018 pela consultoria Deloitte, 42% dos entrevistados da geração millenium disseram que “provavelmente vão sair porque não estão aprendendo rápido o suficiente”.

Mas como lidar com essa mudança drástica no mundo do trabalho? A Inteligência Artificial (IA) tem ajudado a tornar mais eficiente os processos de treinamento e desenvolvimento de liderança e, por isso, vem ganhando espaço nas empresas, transformando as rotinas dos RHs e de outras áreas.

A IA ajuda a descobrir líderes em potencial que você pode ter ignorado. É um processo inconsciente, que faz parte da natureza humana, as pessoas escolhem alguém semelhante a elas ao nomear seu sucessor. Em geral, os gestores confiam na simpatia e na mentalidade dos semelhantes ao selecionar futuros líderes em potencial, ignorando muitas vezes dados objetivos. Além do feedback dos gestores e dos colegas, o treinamento de liderança poder ser mais eficaz se utilizar ferramentas para processar informações e avaliar as necessidades de cada um, conforme as demandas da organização.

O poder da IA está no processamento dos dados, dando sentido a eles e revelando verdades que não seriam conhecidas sem o uso dessa ferramenta tecnológica. Nesse caso, a IA identifica os funcionários que têm ou desejam assumir as características que as métricas de sucesso preditivas nos dizem dos potenciais grandes líderes da organização.

A IA também consegue determinar os recursos que funcionam melhor para cobrir lacunas de habilidades específicas, na medida em que o software habilitado para IA “aprende” e se torna “mais inteligente” com o passar do tempo. Assim, quando aplicada ao programa de desenvolvimento de liderança, a IA processa continuamente todas as informações geradas pelas interações e experiências de seus funcionários com cada um dos seus recursos de aprendizado, revelando os colaboradores que são mais eficazes conforme suas habilidades, tornando-os mais confiantes.

Com esses insights, é possivel cortar cursos ou recursos caros que não estão gerando resultados satisfatórios, e reforçar as coisas que realmente estão funcionando.

Por último, a IA combina automaticamente os ativos corretos com as pessoas certas. Após ter refinado a sua biblioteca e as opções de liderança e saber o que funciona para quais metas de aprendizado, é preciso saber como extrapolar essas informações a fim de combinar cada um dos seus potenciais futuros líderes – todos com necessidades únicas de aprendizado e desenvolvimento – com os materiais e programas apropriados.

A IA cuida disso também. Utiliza os mesmos dados reunidos por meio de avaliações de capacidade e feedback de desempenho para atender a combinação ideal de habilidades comprovadas para trazer as competências desejadas de maneira mais eficaz. É a otimização além da otimização!

Se você está investindo em programas de desenvolvimento de liderança para sua empresa e não consegue obter o retorno desejado desse investimento, deixe a IA ajudá-lo.

*André Martins é cofundador da Superjobs, uma venture builder especializada em investimento de alto impacto em startups inovadoras. Conteúdo publicado originalmente em Olhar Digital.