* Por Sergio Roque

Estamos cientes das mudanças que a era digital já nos trouxe e ainda nos trará? Todos os dias lemos a respeito do que a Inteligências Artificial (I.A) pode e vai fazer nos próximos anos. Empregos que sumirão, novos empregos que aparecerão, novas e velhas necessidades de um mercado convivendo e mudando a uma velocidade difícil de acompanhar.

Fala-se muito nas habilidades e competências que os novos executivos terão que ter para manter uma alta performance e uma liderança num mundo corporativo agressivo em ebulição.

O mundo muda o tempo todo, mas o que de fato é importante?

Hoje toda empresa tem como executivo dos sonhos aquele que se coloca no lugar do cliente (consumidor como centro de tudo), é colaborativo, tem capacidade de decisão, habilidade organizacional, sabe lidar com assuntos ambíguos, é capaz de gerar mudanças e tem mente empreendedora e inovadora. Além disso, ele precisa ser empático, saber ouvir, dar e receber feedback.

Estas qualidades também são sonho de todo recrutador, além das habilidades técnicas e quase tudo isso está dentro daquilo que hoje se chama soft skills.

Soft skills são as habilidades comportamentais socioemocionais e as hard skills os conhecimentos técnicos e específicos. São habilidades tais como engajar, motivar, comunicar-se bem, adaptar-se rápido e uma mente voltada à resolução de problemas.

A única novidade é que antes se pensava que eram características inatas de uma pessoa, e não como um conjunto de habilidades que pudesse ser ensinado.

Talvez por isso, hoje todas as escolas se preocupam em ter um programa que ensine aos seus alunos, junto com a grade de matérias normais, estas competências socioemocionais, tão essenciais para viver e conviver com mais qualidade e mais ainda para suas futuras carreiras.

Como é impossível que um executivo tenha todas estas habilidades, conhecimentos e comportamentos funcionando com hábito é preciso aprender.

E aprender é difícil e dá trabalho e precisa de investimento.

Acredito que o executivo mais procurado pelas empresas no futuro próximo será aquele que adora aprender. Porque quem tem esta habilidade geralmente aprende como se aprende.

Nenhuma profissão que sobreviver será limitada somente pelo conhecimento técnico de sua especialidade, mas também, senão um conhecimento mais profundo, pelo menos por uma noção de várias outras especialidades e suas habilidades necessárias.

Aprender a aprender é uma arte e o mundo corporativo do futuro viverá destes artesões.


Sergio Eduardo Roque é coach executivo e de vida com foco em processos de
autoconhecimento na SerOQue Desenvolvendo Pessoas. Com formação em
engenharia (FAAP) e marketing (ESPM) atua há mais de 25 anos no mercado como
executivo e empreendedor.