Lançado em agosto deste ano, o aplicativo Lyfx foi avaliado em 10 milhões de dólares, cerca de R$40 milhões, em sua primeira rodada de negócios. A plataforma se propõe a ser diferente de empresas de turismo e da própria AirBnB Experience, pois não vende pacotes ou uma miscelânea de experiências em diferentes segmentos, e sim uma aventura única e personalizada que possibilita uma relação pessoal com o guia e o local visitado.

Com o mote “A vida não vai esperar”, a plataforma oferece mais de 20 categorias diferentes de aventuras outdoors, como hiking, trekking, ciclismo, esportes aquáticos e de neve, e promete ser sucesso entre os brasileiros. Isso porque, segundo a Associação Brasileira de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta), mais de 5 milhões de pessoas, estrangeiras e nacionais, procuram atividades de turismo de aventura no Brasil, gerando mais de R$500 milhões em faturamento.

Por enquanto, as aventuras oferecidas são apenas nos estados americanos da Califórnia, Colorado e Utah, mas o explorador Pedro McCardell, idealizador da Lyfx, já tem planos de expandir o aplicativo para a Europa e Brasil a partir de 2019.  “Me mudo agora em outubro para a Europa para fazer uma pesquisa de campo, e pretendemos lançar novos países para aventuras ainda ano que vem”, conta.

Acrônimo para Life Experience, a Lyfx foi criada por Pedro McCardell após percorrer, sozinho de moto, os 25 mil quilômetros que separam São Paulo de São Francisco, na Califórnia. O aplicativo já tem mais de 10 mil usuários que buscam aventuras outdoors; que fogem do lugar comum oferecido por agências de viagens.

“Criei a plataforma porque, como explorador, sentia a necessidade de um guia local para me apresentar trilhas e outros lugares com segurança, que como viajante comum, não teria acesso”, revela McCardell.

Além disso, o serviço da Lyfx oferece aos usuários experiências que vão além da atividade envolvida, expandindo a aventura para o conhecimento da cultura local onde ela é realizada. Isto proporciona uma experiência personalizada e diferente de outras oferecidas por pacotes de turismo, já que o percurso é montado por um habitante local que conhece a área como poucos.