* Por Adam Patterson

Neste artigo, analisamos o atual ambiente de funding e valuations para startups nos Estados Unidos e no nível global.

A indústria global de venture continua a observar o aumento do desempenho e de transações. O segundo trimestre de 2018 registrou mais de US$ 70 bilhões investidos, superando a alta vista anteriormente no primeiro trimestre do ano e, em comparação, quase sete vezes a do segundo trimestre de 2010. Os tamanhos das rodadas também estão aumentando continuamente. Os principais setores de investimento são serviços de software, energia e business services.

Os valuations continuam a aumentar com base em premissas positivas sempre crescentes, potencial futuro e em cima da tendência de retorno ajustado ao risco. O tempo dirá se tais estimativas foram baseadas em premissas sólidas. No Brasil, em um mercado menos maduro, os valuations continuam bem abaixo dos benchmarks globais médios. A indústria está, basicamente, definindo os preços. Ainda assim, seguindo a pesquisa Brazil SaaS Landscape, a média do múltiplo do AAR para rodadas SaaS é de 6x e isso deve, por definição, ser o benchmark para negociações de valuation.

No mercado global de empresas SAAS de capital aberto, o múltiplo média estimado para 2019está atualmente 10 vezes sobre receita. Segundo pesquisa pela KPMG, o valuation pre-money médio está 6,6M USD em 2018.

Nos Estados Unidos, o maior mercado de venture do mundo, o primeiro semestre de 2018 registrou o maior capital investido em um período de seis meses do que em qualquer outro momento da memória recente. Entre janeiro e junho ano, US$ 57,5 bilhões foram investidos em empresas apoiadas por venture capital dos EUA, superando o total anual em seis dos últimos 10 anos. Olhando para o investimento em “unicórnios”, o primeiro semestre registrou 42 investimentos, além de 94 investimentos acima de US $ 100 milhões (dados do Pitchbook). Como o número de unicórnios continua a crescer, o mesmo acontece com os ganhos em papel e o valor não realizado ainda ilíquido dos investidores e LPs.

Os negócios em VC nos EUA continuaram a crescer em tamanho, e não apenas no topo do mercado. As ofertas de capital-anjo e capital-semente neste ano chegaram a um tamanho médio de US$ 825.000 e US$ 2.1 milhões, respectivamente, aumentando um dígito por década, por enquanto. E, enquanto os deals gigantescos continuam a aumentar cada vez mais os números gerais, os deals de tamanhos menores também estão ganhando força. Por exemplo, deals de estágios iniciais entre US$ 10 milhões e US $ 25 milhões estão a caminho de superar os US$ 10 bilhões em valor agregado de negócios este ano.

Embora os exits tenham permanecido baixos em relação aos máximos de 2014 e 2015, mais exits foram concluídos este ano do que no mesmo período do ano passado. O tamanho médio de exits atingiu US$ 105 milhões e a média ultrapassou US$ 225 milhões.

Após um lento início de captação de recursos em 2018, o 2T apresentou um aumento na atividade. Os VCs fecharam 72 fundos com um total de US$ 10,8 bilhões levantados durante o trimestre. Isso traz a contagem de fundos e o capital levantado em 2018 no ritmo para superar os totais de 2017. O número de fundos micro (fundos de US$ 50 milhões ou menores) diminuiu ligeiramente em 2018, mas esperamos que esta categoria se recupere no segundo semestre do ano, à medida que vários fundos abertos se aproximam de seus tamanhos-alvo.

Na Europa, no segundo trimestre do ano, investidores de venture capital mostraram-se dispostos a financiar negócios maiores, ao mesmo tempo em que distribuem capital para menos empresas. Com apenas 660 negócios concluídos representando 4,8 bilhões de euros de capital investido, o 2T foi o mais baixo desde o 3T 2011, mas quatro vezes o valor total de deals.

O mercado de exits foi um ponto especialmente brilhante no segundo trimestre, com VCs registrando 4,6 bilhões de euros de valor de exit em 93 transações. Este dilúvio de capital saiu de 2018 no ritmo de um aumento YoY e são esperados 10 bilhões em valor de exits pelo sexto ano consecutivo.

À medida que as valorizações dos valuations se elevam constantemente, alcançar um “bom exit” é mais importante do que nunca, pois os cortes de valorização nos exits podem causar enormes efeitos de oscilação nos retornos, devido aos direitos e proteções preferidos dos investidores. Até o momento, não há sinais imediatos de que os valuations tenham se estendido demais; se existe algum sinal, parece que os compradores ainda estão dispostos a pagar um prêmio sobre as avaliações do mercado privado.

Olhando para o mercado mais amplo de fusões e aquisições nos EUA e na Europa, vemos também uma tendência de alta nos investimentos, valuations e exits que espelham o espaço do capital de risco. O investimento em fusões e aquisições teve um pequeno aumento no segundo trimestre devido a vários mega deals concluídos. Quatro deals acima de US$ 10 bilhões fecharam no trimestre. o boom global de M&A não mostra sinais de parada. No geral, é improvável que 2018 eclipse os números recordes alcançados em 2015, mas está no ritmo de outros US$ 3 trilhões+ no ano. As sutis mudanças e divergências nas taxas de juros também podem estar influenciando a atmosfera de negociação de deals.

Dentro desse contexto, a contagem de transações de fusões e aquisições está em alta desde o seu clímax em 2015, à medida que as corporações permanecem confiantes sobre a economia global – pós-crise financeira – para colocar capital significativo para funcionar. Ao mesmo tempo, muitas empresas apoiadas por PE adquiridas em momentos pré-crise que resistiram à tempestade e estavam prontas para serem vendidas. Em praticamente qualquer medida histórica, nosso ambiente atual de M&A é saudável; embora a tendência na contagem de deals esteja ligeiramente abaixo do padrão, o valor total de deals está se saindo melhor, porque o tamanho médio dos deals é maior. A longo prazo, certos setores, especialmente de saúde e de TI, cresceram e os negócios possuía growth rates acima da média.


Adam linkedinAdam Patterson é economista britânico, graduado em Ciências Políticas e Estudos Parlamentares pela Universidade de Leeds e pós-graduado em Economia e investimentos pelas universidades de Londres e  o Instituto Real de Investimentos do Reino Unido. Trabalhou na equipe de valuation do HSBC e no parlamento britânico.  Adam é sócio-fundador da ALFA Valuation, empresa especializada no valuation e planejamento financeiro de startups. A ALFA foi idealizadora e criadora da ferramenta i-Valuation, o pioneiro portal online para o valuation de startups & PMEs no Brasil.