Há cerca de dois anos, os empresários Gustavo e Patricia Fornazier decidiram unir as paixões de ambos – design e gastronomia, respectivamente, e transformar as receitas que criavam para a família e os amigos em um negócio de sucesso. Hoje, ambos estão à frente da Drinquis, startup piracicabana que desenvolve preparos de frutas para a criação de drinks alcoólicos.

O que a princípio pareceu loucura, para eles se tornou em um negócio com um imenso mercado. “Foram dias intensos na cozinha criando, testando e padronizando a receita, e então com a nossa primeira versão do produto, mesmo sabendo que tínhamos muito a melhorar. No final de 2016 estávamos vendendo para familiares amigos e conhecidos”, explica Patrícia.

O produto da foodtech é um preparado feito a partir de frutas frescas selecionadas, com uma receita exclusiva para cada sabor. A empreendedora diz que todos os ingredientes das receitas foram escolhidos para proporcionar uma experiência única na hora de preparar e saborear a bebida. “O preparado passa por um processo térmico para garantir a vida de prateleira desejada sem a utilização de conservantes, assim como manter as propriedades sensoriais que fazem dos sabores de Drinquis únicos, como se a fruta tivesse acabado de ser cortada! Durante o processo são seguidas as normas de boas práticas de fabricação, garantindo assim, a segurança do alimento”, afirma Patrícia.

Para ela, o maior desafio do início da startup foi desenvolver uma fórmula que fosse capaz de manter o frescor das frutas e padronizar os sabores, de forma que não importasse qual fosse a fruta, o modo de preparo deveria ser o mesmo para todas. “Para nos auxiliar com isso, contamos muito com o apoio e expertise dos nossos investidores, que são de áreas bem variadas, desde engenheira de alimentos até professor.”

Atualmente, são produzidos seis sabores pela empresa, divididos entre as linhas Tradicional (maracujá, kiwi e maça verde com pimenta) e Premium (framboesa, blueberry e jabuticaba). Para 2019, a empresa já tem planos de novos produtos. “Estamos desenvolvendo uma embalagem maior e exclusiva para bares, restaurantes, hotéis e navios. Para estes, temos uma previsão para o primeiro semestre de 2019, além de novos sabores que as receitas já estão sendo finalizadas”, conta. Para o segundo semestre do ano que vem, o objetivo é lançar uma embalagem de dose única, para o consumidor final, além de começar a desenvolver os planos para exportação.

A Drinquis já recebeu um aporte, que Patrícia afirma que foi fundamental para a abertura da fábrica do produto. Do início do ano para cá, a empresa também passou por um reposicionamento de marca. “Quando criamos a Drinquis, em sua primeira versão, tudo foi de acordo com o nosso MVP, a ideia tinha que sair do papel, então criamos uma comunicação mais simples, porém semprecom o posicionamento que queríamos para a marca em mente. Após recebermos o aporte, colocamos em prática o que havíamos planejado e, então, reforçamos o posicionamento que sempre buscamos e desenvolvemos uma nova embalagem, um novo rótulo e uma nova comunicação.”

Em janeiro deste ano, a startup participou do Startup Village, evento realizado pelo grupo Gaia Hyper, em parceria com o Startupi, onde pode apresentar seu produto para uma banca de alguns dos maiores investidores do Brasil. “No evento nós fizemos o nosso pitch, recebemos um aporte e conseguimos abrir a fábrica, que até então funcionava de uma forma  muito artesanal. Tivemos mentorias que fizeram muita diferença em nossas decisões e que também nos deixaram muito mais seguros para dar novos passos, além de um network incrível”, comemora Patrícia.

Para ela, as mentorias no início de um empreendimento são parte vital para o sucesso da empresa. “Para nós, as mentorias fizeram toda a diferença de uma forma extremamente positiva, pois nossos mentores são também nossos investidores, estamos todos juntos em prol da startup. Somos muito gratos (aos mentores), pois tivemos mentorias desde produção em grande escala até a nossa primeira versão do nosso aplicativo de realidade aumentada, que ainda temos muito a explorar”, conta.

Ao falar sobre o mercado de foodtechs no Brasil, Patrícia e Gustavo só têm a celebrar. “O mercado para a Drinquis está ótimo, pois é um segmento que esta em grande expansão, as pessoas estão mudando cada vez mais a forma como se alimentam, estão mais conscientes do que elas querem e precisam, buscando não somente se alimentar, mas também buscam experiências gastronômicas e diversão. Elas estão também cada vez com menos tempo e a praticidade e naturalidade da Drinquis chega para proporcionar exatamente isso”, diz.

Para ela, o segmento representa melhor qualidade de vida para as pessoas e menos desperdício, mas o conceito de qualidade, para o mercado de alimentação, não é algo tão concreto quanto para os demais. Por isso, Patrícia dá a dica para quem está empreendendo com foodtechs. “Eu acho que o mais importante  é o nosso feeling e conexão com aquela ideia, porem não devemos jamais deixar de validar o produto com as mais variadas pessoas, pois gostos e paladares diferentes irão te dar uma visão muito ampla das coisas”, explica.

Para saber mais sobre os produtos da Drinquis, acesse aqui.