Em seu segundo ano de operação e com quatro aquisições concluídas neste período, a Mutant, empresa B2B brasileira especializada em Customer Experience, anuncia aporte financeiro de US$ 85 milhões, recebido do fundo de pensão Canada Pension Plan Investiment Board (CPPIB) e do Adams Street Partners, dois importantes credores globais do mercado privado. Com essa captação, a expectativa da Mutant é fechar o ano com faturamento de R$ 400 milhões, um crescimento de 45% em relação ao ano anterior.

Com um modelo de negócio mais conservador, o CPPIB fornece soluções de financiamento por meio de crédito para ativos de diversos setores na Europa, na Ásia e nas Américas do Norte e Latina, com cerca de US$ 366 bilhões investidos. O Adams Street Partners administra mais de US$ 34 bilhões de ativos e possui uma equipe de crédito privado especializada em fornecer soluções personalizadas de financiamento. Ambos atuaram como bookrunners no financiamento, que teve o banco francês Société Générale como principal coordenador e agente administrativo.

Após a Mutant adquirir a Unear, a CCM7 e a TSA em 2016 com investimento inédito concedido pela gestora europeia Permira, a empresa se permitiu uma pausa em 2017 para consolidações e, em agosto último, voltou a ampliar seu portfólio ao incorporar a Dextra com capital próprio. Agora, o valor do novo aporte em caixa possibilita fortalecer ainda mais os planos de expansão da companhia.

“Esta transação é uma clara validação do sucesso da Mutant como empresa líder no segmento de Customer Experience no BrasilNossa estratégia de crescimento sempre foi equilibrada e, com esse apoio financeiro adicional, estamos bem posicionados para continuar investindo em iniciativas estratégicas de P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) e fortalecer nosso histórico de crescimento, tanto orgânico quanto através de F&A (Fusões & Aquisições). Estamos empolgados em ter esses novos parceiros a bordo enquanto continuamos nosso trabalho em sempre oferecer as melhores soluções para nossos clientes e impulsionarmos nosso crescimento”, afirma Alexandre Bichir, CEO da Mutant.