* Por João Kepler

Como sabemos, a cultura de startup é colaborativa. OK, mas em alguns casos, nem tanto. Algumas empresas ainda acreditam que a informação financeira por exemplo, deve ser mantida em sigilo. A maioria dos fundadores de startups demoram a adotar a ideia de que as informações devem ser acessíveis para todos. Acreditam que proteger, inclusive dos funcionários, pode evitar o estresse diário associado a “montanha russa” que é Empreender.

Existem outros tipos de fundadores que empregam um estilo de liderança que se beneficia do controle de quem sabe o quê e quando informar. Restringir informações importantes torna-se nesse caso, uma estratégia. Eles organizam as informações para que as boas notícias apareçam em destaque e as ruins ou piores sejam amenizadas ou explicadas no contexto. Ok, pode ser interessante, porém não suficiente nos dias de hoje, principalmente no “olhar” dos investidores mais experientes.

Em minha opinião, seja por qual for a motivação em não ser transparente, ao fornecer informação parcial ou incompleta, perdem uma oportunidade de construir confiança e retardam a chance de sucesso. O negócio pode sangrar, como pode gerar stress se todos souberem da real situação sim, vai precisar de mais tempo e mais esforço para recuperar e, em alguns casos o empreendedor pode ficar sozinho, pela omissão, ausência de informação e transparência.

Fundadores visionários abraçam a transparência. Esses grandes empreendedores têm mais medo do que acontece quando funcionários e investidores não têm todas as informações. Eles se sentem poderosos não porque sabem ou dominam a informação, mas porque eles capacitaram todos igualmente para lutar pelo sucesso da startup e eventualmente estarão juntos em um derrocada.

Se você quer que sua Startup cresça e seja bem-sucedida, ela pode se beneficiar compartilhando mais informações com o público em geral, isso inclui potenciais investidores, funcionários, clientes, ou seja, quem você quiser. Compartilhamento de informações, pode gerar benefícios de várias maneiras. O efeito é positivo!

Quanto mais as pessoas souberem, maior interesse terão em se envolver, ajudar e fazer parte.

Acredite, construir a confiança com investidores é um passo importante. Uma estratégia fundamental é usar a transparência como uma forma de “atração”, não somente para o cap table atual como também para buscar novos investidores.

Mas não se trata apenas de enviar atualizações e reports mensais, precisa ser concisa, permanente e que defina a atualização dos principais indicadores no negócios, as MÉTRICAS. Procure por sistemas para integrar ou que podem receber seus inputs com as informações periódicas que fiquem disponíveis por um acesso online. Estas devem refletir como anda o negócio como um todo, desde receita até cancelamentos.

 

Em relação a métricas e informação em tempo real, temos no Brasil uma experiência de transparência bem interessante. A Startup Trakto deixa online e pública as principais métricas comerciais e financeiras, de produto e de engajamento no modelo SaaS, ou seja, eles deixam abertas para quem quiser ver. Isso quer dizer que a cada evento que acontece (venda, renovação, cancelamento e etc) no negócio, uma página online integrada aos sistemas de pagamento da empresa é atualizada automaticamente ficando disponível em um link público. Imagine que uma informação que é interna e somente é mostrada mensalmente para alguns investidores através de reports, de repente, se torna atualizada, pública e para todos. (clientes, funcionários, concorrentes e etc).

É a primeira startup no Brasil (e única que conheço até o momento) a optar por essa forma de  transparência em tempo real. Um exemplo de colaboração ao ecossistema!

Eu como investidor acho isso muito honesto, atualizado, acessível e claro, com muito menos chance de ser montado ou fake, como é possível em um Report tradicional com os números da empresa. Confira aqui a transparência da Trakto.


joãoReconhecido como um dos conferencistas mais sintonizados com Inovação e Convergência Digital do Brasil; Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e vendas; Investidor Anjo desde 2008; Participa em mais de 100 StartUps; Lead Partner da Bossa Nova Investimentos; Premiado como melhor Investidor Anjo do Brasil pelo Spark Awards da Microsoft; Palestrante internacional; Escritor e autor e coautor dos Livros O vendedor na Era Digital, Vendas & Atendimento, Gigantes das Vendas e Educando Filhos para Empreender; Premiado como um dos maiores Incentivadores do Ecossistema Empreendedor Brasileiro.