A startup brasileira de biometria especializada em reconhecimento facial, FullFace, acaba de anunciar o investimento do Fundo Primatec, que tem como objetivo apoiar e acelerar o crescimento de empresas de tecnologia brasileiras e fomentar o ecossistema de inovação nacional. A empresa paulista é o sexto investimento do Fundo.

De acordo com Danny Kabiljo, o investimento realizado pelo fundo foi de R$5 milhões. Os recursos serão utilizados para expandir sua atuação no mercado, no aprimoramento da sua tecnologia proprietária e na contratação de colaboradores para as áreas comercial e técnica, além da aquisição de equipamento para a criação de um laboratório próprio da empresa.

Fundada em 2012 por Danny e José Soares Guerrero, a FullFace possui tecnologia própria que realiza a leitura de mais de 1024 pontos da face e viabiliza projetos de autenticação de forma integrada em ambientes web, mobile e físicos (controle de acesso e monitoramento). O sistema não armazena imagens, criando um hash, como um CPF facial, o que torna os dados mais seguros e garante a privacidade.

“Temos como foco principal o desenvolvimento de tecnologia de biometria facial. Já alcançamos importantes diferenciais técnicos perante outros produtos no mercado, mas temos que manter nosso desenvolvimento sempre vivo. Com o investimento, vamos trabalhar em novas funcionalidades, que considerem novas features. Uma vez que temos essas especificidades, poderemos incrementar as tomadas de decisão focadas em segurança e relacionamento com os clientes”, afirma Kabiljo.

O fundador diz também que as novas tecnologias que a empresa desenvolverá com o aporte permitirão novas ferramentas, como reconhecimento de faixa etária, de gênero e de estado emocional do usuário. “Reconhecer se uma pessoa está triste, aparenta fraqueza, é algo que pode ser utilizado no setor da saúde, por exemplo. Da mesma forma que reconhecer felicidade e satisfação no rosto do usuário pode ser eficiente para o varejo”, afirma.

Após o aporte, a empresa está trabalhando a estruturação de sua estratégia internacional. De acordo com Danny, há demanda na América Latina principalmente para os setores de educação, saúde e financeiro. A partir de 2019, a empresa planeja começar a internacionalizar.

As negociações com o Fundo Primatec começaram no início de 2018, e a startup passou por um criterioso processo de seleção. Uma das condições do Primatec é investir em empresas de incubadoras ou de parques tecnológicos e a FullFace integra a Incubadora de Empresas de Base Tecnológica USP/Ipen – Cietec.

“Estamos muito felizes com esse investimento na FullFace, uma empresa nacional com tecnologia de ponta em cenário mundial. E particularmente satisfeitos com nossa missão de integrarmos Venture Capital com os ambientes de inovação, como é o caso do Cietec”, diz Marcelo Almeida, Consultor Operacional do Fundo Primatec.

O fundo, que investe prioritariamente nos setores de Tecnologia da Informação e Comunicação (TICs), Energia, Sustentabilidade e Economia Criativa, conta com o apoio de profissionais de alta qualidade para ajudar na aceleração de empresas com potencial de mercado.