Take, criadora do BLiP, plataforma de desenvolvimento de chatbots, é agora a provedora de solução oficial do WhatsApp Business.

Ao contrário do WhatsApp Business App, divulgado no início deste ano com foco em pequenas e médias empresas, o WhatsApp Business solution é voltado para a comunicação entre grandes organizações e seus clientes, e possui disponibilidade limitada – ou seja, a aprovação do WhatsApp será necessária para todos os clientes interessados.

O serviço acontecerá, inicialmente, de duas maneiras: atendimento aos clientes, que será realizado de forma gratuita para respostas em até 24 horas, e envio de notificações pagas, com mensagens informativas para aumentar o engajamento dos consumidores.

Uma das grandes vantagens do serviço para os consumidores é que eles poderão se comunicar com as marcas com a mesma facilidade que se comunicam com amigos e familiares – ou seja, através de mensagens rápidas e simples – e com a garantia de que não serão incomodados com SPAMs, garante a empresa.

Para as companhias, a solução permitirá que elas ampliem sua presença digital e que gerenciem e registrem melhor suas conversas com os clientes.

“Vamos auxiliar as empresas a migrarem seus números fixos para o WhatsApp, atendendo os clientes pelo aplicativo. Além disso, utilizaremos nossa plataforma BLiP e suas diversas ferramentas para incorporar atendimento humano e automatizado, analisar dados e métricas das conversas, evoluindo a comunicação entre organizações e clientes”, explica Roberto Oliveira, CEO da Take.

Cemig, Grupo Recovery, Minutrade e BLiP são algumas das marcas que já contam com o auxílio da Take no novo serviço, e, ainda de acordo com Oliveira, assim como as empresas atualmente têm diversos números de telefone para atenderem seus clientes, em breve elas terão inúmeros contatos oficiais no WhatsApp, que está presente em 180 países e alcança mais de 1,5 bilhão de pessoas no mundo.

“As empresas têm muitas necessidades diferentes, e agora o leque de opções irá crescer de forma infinita. Já existem coisas simples que podemos automatizar facilmente, como definir respostas automáticas para atendimentos fora do horário de expediente da empresa e algumas outras mensagens que vão agilizar esse atendimento. O mais importante é que agora temos a oportunidade de criar diversas interações que irão deixar o processo mais seguro e eficiente”, finaliza o CEO.

TIM

Aproveitando esta ferramenta, que é um dos apps de comunicação mais utilizados do mundo, a TIM anuncia que, a partir de agora, começará a interagir com seus clientes via WhatsApp. Mais de 1,5 bilhão de pessoas em mais de 180 países usam o aplicativo para manter contato com amigos e familiares a qualquer hora e em qualquer lugar.

A companhia é a primeira operadora brasileira a fechar contrato comercial para utilização do WhatsApp Business. A empresa vem realizando testes com um grupo de clientes que hoje já recebem suas faturas via WhatsApp e, a partir de agora, poderá ampliar essa iniciativa para outros usuários ou utilizar o canal para comunicação objetiva e pessoal com seu cliente.

A utilização do WhatsApp Business faz parte da estratégia de transformação digital da TIM para promover a melhoria continua da experiência do cliente. No segundo trimestre, o número de usuários da operadora que buscou atendimento pelo aplicativo MEU TIM e pelo website aumentou 62% em relação ao mesmo período de 2017. Em paralelo, as interações no call center caíram 6%. Até 2020, a empresa prevê que o número de interações digitais ultrapasse a marca de 80% dos contatos feitos nos canais de relacionamento.

“A TIM está totalmente focada na melhoria da customer experience através da transformação digital e essa adesão ao WhatsApp Business é, sem dúvida, um passo importante nessa jornada. A ideia é sempre oferecer mais conveniência ao usuário, simplificar seu contato com a empresa e dar autonomia para que possa gerir seus serviços sem ter que ligar para o atendimento telefônico. Além de reforçar a satisfação do consumidor, tendo mais possibilidades de atender as suas demandas com agilidade ou até mesmo nos antecipar a elas”, explica Pietro Labriola, COO da TIM Brasil.