Desde a primeira menção ao termo “Bitcoin”, há uma década, o mercado de criptoativos se desenvolveu e ganhou notoriedade, fazendo com que diversos novos termos fossem adotados pela comunidade. Pensando nisso, a equipe de Economia e Educação do Mercado Bitcoin – maior corretora de criptomoedas da América Latina – preparou um “criptodicionário” para esclarecer as dúvidas das pessoas.

“Temos a preocupação de levar as informações corretas e claras ao público em geral. Em um mercado ainda novo, como o dos criptoativos, muitos termos são desconhecidos das pessoas e há muitas dúvidas em relação a essas novidades. Achamos importante participarmos da educação e crescimento deste segmento”, afirma Luiz Calado, economista-chefe do Mercado Bitcoin.

Confira abaixo a lista dos 10 principais termos relacionados ao mundo dos criptoativos desenvolvida pela equipe de Economia e Educação do Mercado Bitcoin:

Blockchain – É a tecnologia que está por trás do Bitcoin. Ele funciona como um livro caixa que registra todas as transações ocorridas na rede Bitcoin. Ele forma uma cadeia contínua de hashes (comprovantes de transações) verificados pela própria rede, compondo um registro único, que não pode ser modificado.

Full Node – É o programa que contém as regras de consenso da rede, que permitem a validação das transações, além de uma cópia completa do blockchain. Nem todo full node é minerador, mas todo minerador é necessariamente um full node.

Minerador – Participante da rede que gasta energia elétrica em cálculos feitos por supercomputadores para criar blocos válidos e adicioná-los ao Blockchain.

Confirmações – Uma transação é confirmada quando é adicionada a um bloco válido. Após outro bloco ser adicionado na rede, depois do primeiro, a transação terá duas confirmações, e assim por diante. As confirmações só podem ser realizadas por mineradores.

Altcoins – São tokens digitais “alternativos” ao Bitcoin. Muitas deles surgiram de forks do Bitcoin, como o Litecoin e o Bitcoin Cash, que também estão disponíveis para negociações na plataforma do Mercado Bitcoin.

Forks – Os forks são atualizações no protocolo ou no código de determinado criptoativo. Quando não há consenso na comunidade sobre qual caminho seguir, normalmente gera-se um fork e uma nova criptomoeda. Os principais exemplos são o Litecoin e Bitcoin Cash, que são forks do Bitcoin.

Wallets – As “Carteiras” de criptoativos são softwares usados para gerenciar o endereço e a chave privada, permitindo o recebimento, envio e consultas ao saldo de bitcoins.

ExchangesAs exchanges, ou corretoras de criptoativos (entre elas o Mercado Bitcoin), fazem a intermediação de compra e venda de moedas digitais e guarda das moedas na carteira dos clientes.

FUDFear, Uncertainty and doubt (“medo, incerteza e dúvida”, em português). Frequentemente o bitcoin passa por momentos em que o preço cai muito ou fica estagnado. Isso deixa o mercado inseguro e essa sigla resume o sentimento.

#Lambo #ToTheMoon – Duas hashtags comuns do meio, que indicam possíveis ganhos com criptomoedas – até comprar uma Lamborghini. São expressões otimistas sobre a alta dos preços.