A Flapper, lançada no início de 2016, chegou ao mercado com uma missão particularmente ambiciosa: democratizar a aviação executiva por meio da tecnologia. A ideia nasceu como uma resposta para a falta de serviço de primeira classe na aviação comercial.

Hoje a startup anunciou o novo aporte de 3 milhões de reais. A rodada foi liderada pela gestora brasileira Confrapar e pelo fundo global de venture capital Travel Capitalist Ventures. Segundo eles, este é o primeiro de dois rounds previstos para este ano.

O capital será direcionado para o desenvolvimento do mercado de compartilhamento de aeronaves executivas no Brasil. “Quando atingirmos uma massa crítica, lançaremos um modelo de assinatura, no qual os usuários poderão pagar uma taxa fixa para voar ilimitadamente no Sudeste. Enquanto isso, também oferecemos fretamento de aeronaves e helicópteros diretamente no nosso marketplace”, destaca a startup em um comunicado.