Promover a diversidade é um desafio que as startups enfrentam. Hoje, 74% das startups tem a maioria masculina e ainda não existem dados apontando para diversidade de etnia e orientação sexual.  Para ajudar a reverter esse cenário a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), instituição sem fins lucrativos que representa as startups brasileiras, acaba de lançar o comitê de Diversidade e Inclusão, que tem por missão compreender e fomentar discussões sobre inclusão no ecossistema de startups no Brasil, permitindo um ambiente cada vez mais diverso e livre de preconceitos.

Segundo a  diretora do comitê, Tania Gomes Luz, o objetivo é fomentar discussões sobre diversos temas e promover a multiplicidade de opiniões. “A ABStartups tem um papel importante no ecossistema brasileiro de startups e por isso resolvemos unir forças para fomentar iniciativas que visam um ambiente equilibrado e acessível”, explica Tânia.

O comitê surgiu a partir da percepção de que, por mais inovador e desconstruído que seja, o cenário de startups brasileiras ainda está defasado quando se trata de inclusão. De acordo com Amure Pinho, presidente da ABStartups, está na hora das startups passarem a discutir sobre diversidade e inclusão. “É engajando projetos como esses que vamos conseguir conscientizar as pessoas e tornar o ecossistema de startups cada vez mais diversificado e sem preconceitos”, completa Amure.