* Por Anderson Arcenio

Um dos tópicos mais essenciais de uma startup é a validação do negócio. Mais do que criar produtos e transformar ideias inovadoras, o foco deve ser sempre em encontrar um modelo de negócio economicamente sustentável.

E se você está nesse caminho, vamos considerar que já teve sua grande ideia, que pesquisou sobre ela, e que nesta pesquisa identificou que parece ser uma boa oportunidade, com pouca concorrência, grande mercado e com proposta inovadora. Mas você já pensou de fato se:

O problema que você está querendo resolver realmente existe?

Quando você pesquisa sobre uma ideia, você pode condicionar seus critérios e induzir que os resultados justifiquem sua teoria. Mas sabemos bem que entre teoria e prática existe um abismo. Então chegou a hora de sair do computador e ir para a rua!

Você precisa conversar com pessoas que fazem parte do seu público-alvo, que podem ser seus potenciais clientes. Foque primeiro em entender se o problema ou necessidade que você está querendo resolver existe:

  • Pergunte se eles possuem este problema.
  • Pergunte como eles resolvem este problema hoje.
  • Pergunte se estão satisfeitos com esta forma atual.
  • Pergunte se existe algo que gostariam que melhorasse.
  • Pergunte se eles pagariam por esta forma.
  • Pergunte se isso é um problema recorrente, prioritário ou que não os incomoda tanto.

O objetivo principal é que você valide se o problema que você quer resolver realmente existe e é encarado como algo prioritário por elas. Validação de problema é extremamente importante. Criar uma solução para um problema que pouca gente tem certamente não te ajudará a criar uma grande empresa.

Validando a proposta de solução

Pronto, problema validado! Agora é só começar a desenvolver a solução, certo? Errado! :)

Antes, precisamos confirmar se a proposta de solução realmente atenderá seu público-alvo. E com zero linhas de código você já poderá aprender um pouco mais sobre isso.

Utilize ferramentas de prototipagem, ou melhor ainda, rabisque em um papel como seriam as telas e fluxo de navegação principal da sua solução, por exemplo. Não se preocupe com detalhes, foque na proposta principal da solução, aquela que realmente resolverá o problema em questão.

Apresente este protótipo (mesmo que no papel) para as pessoas, explique para elas o que você vem idealizando e principalmente: escute-as! Veja suas reações, o que não ficou muito claro, se aquilo as atenderia.

Volte para casa e aplique o aprendizado extraído destas apresentações em uma proposta de solução adaptada, faça um novo “protótipo” e volte para a rua! Busque amadurecer sua solução e seu compreendimento do problema o máximo possível.

Programação Orientada a Resultado

Até aqui validamos nosso problema e proposta de solução, agora existe uma próxima validação importante: como conseguir extrair receita disso. As pessoas podem ter lhe falado que pagariam por sua solução, mas acredite, falar é uma coisa, realmente pagar é outra totalmente diferente.

Sabe qual a melhor forma de investimento que existe? Investimento próprio? Investimento da família e amigos? Investimento de anjos ou de fundos? O melhor investimento é aquele que vem dos seus clientes!

Se você é da área de programação, deve estar acostumado com termos como “programação orientada a objetos”, “programação orientada a aspectos” ou até “programação orientada à gambiarra”… Então, lhe apresentamos agora a “programação orientada a resultado”.

Só implemente algo se alguém realmente vê valor suficiente e já esteja disposto a pagar por aquilo. Uma empresa não pode se mover apenas por dinheiro, mas sem ele, ela não conseguirá se mover.

Venda sua solução antes mesmo dela existir! Fácil não é, mas assim você já começa sua operação focado em construir uma empresa que consiga “parar em pé”.

Construindo seu produto mínimo viável (MVP)

Por fim, se sua solução envolve algo de tecnologia, agora sim chegou a hora de desenvolvê-la. Mas não cometa o erro de querer desenvolver a solução mais completa do mundo logo de início. Você vai construir isso ao longo do tempo, não nesse primeiro momento.

Foque em construir algo com o menor tempo e recurso possível, mas que já resolva, mesmo que de maneira enxuta, o problema que você está se propondo a resolver. Vale a pena conhecer alguns exemplos de MVPs famosos como o da Zappos, AirBnb, Easy Taxi… e se inspirar neles.

Então lá vai o resumão: valide seu problema, valide sua solução e, principalmente, valide seu negócio. Teste rápido, experimente muito, e oriente toda a sua programação a resultados.


Anderson Arcenio é cofundador e CEO da Digital Labs, venture builder responsável por criar startups como o Salus e Protarefa. Também é cofundador do Livebuzz e Sócio da Dinamize. Com 14 anos de experiência com projetos digitais, é pós-graduado em Gerenciamento de Projetos – práticas do PMI, pelo Senac e bacharel em Sistemas de Informação, graduado pela Universidade Estadual Paulista – UNESP.