Em abril nós acompanhamos o Summit Agrihub, o primeiro evento do AgriHub, uma rede de inovação em agricultura que conecta produtores, startups, mentores, empresas, pesquisadores e investidores, criando um ecossistema de inovação e empreendedorismo no agronegócio por meio da adequação de soluções tecnológicas de empresas agro, para resolver problemas do campo. Durante o evento foi lançado um diagnóstico com as principais oportunidades do Agro. Os desafios na produção agropecuária são variáveis, envolvem doenças, ervas daninhas e pragas, previsão do tempo, mão de obra, informações para tomada de decisão, gestão da propriedade, classificação de grãos, entre outros. Além da diversidade de problemas, eles variam de um município para o outro.

No levantamento foi identificado também que um dos problemas aparentemente mais difíceis de se resolver é a falta de conectividade nas fazendas. De olho nesse desafio, a John Deere lançou durante o Agrishow, uma solução inovadora com o nome de Conectividade Rural, a iniciativa pioneira levará acesso à internet aos produtores, preenchendo a lacuna de infraestrutura do País, para que as tecnologias destinadas a melhorar a agricultura possam ser utilizadas em todo o seu potencial. A iniciativa, em parceria com a Trópico – empresa dedicada ao desenvolvimento, produção e distribuição de modernos equipamentos de telecomunicações -, consiste na instalação de torres de transmissão de acordo com a necessidade de cada produtor, que permitirão que ele esteja conectado à internet, mesmo em locais onde as operadoras móveis não alcançam.

“O ‘Conectividade Rural’ representa a real conexão entre a lavoura, as máquinas e as pessoas. A partir dele, o agricultor pode transferir o escritório para o campo e integrar todas as plataformas e softwares da John Deere, além de programas externos, para gerenciar sua propriedade e seus colaboradores a qualquer momento e em qualquer lugar”, explica Paulo Herrmann. “Hoje, a conexão à internet já é tão importante quanto as estradas para o agronegócio, pois é a partir dela que podemos transportar as informações. E precisamos reforçar que a conectividade do campo é positiva não só para aqueles que vivem da terra, mas para toda a sociedade, que se beneficiará do aumento da produção de alimentos, para clientes, fornecedores e toda a cadeia produtiva”, completa.

Além disso, a companhia anuncia também o lançamento do Centro de Operações, uma plataforma de gerenciamento de dados online que integra informações agronômicas, de máquina e produção. O cruzamento de dados colhidos pelas máquinas durante o plantio, a aplicação de insumos e a colheita permite que o agricultor identifique oportunidades de redução de custos, de otimização da operação das máquinas, zonas de manejo etc, tudo de forma segura, centralizada e à distância. As principais funcionalidades disponíveis no Apex™ – outro importante software de gerenciamento de dados da John Deere – também serão disponibilizadas para o Centro de Operações, que receberá todo o backup do programa, com a vantagem de poder ser acessado de diversos computadores, em diferentes lugares, reunindo todos os dados da fazenda em uma interface intuitiva.

Para apresentar essas novidades ao público da Agrishow, o estande da companhia deste ano foi organizado de acordo com as diferentes fases de uma lavoura, dividido em quatro estações principais: preparo do solo, plantio, tratos culturais e colheita. Em cada uma das etapas, o visitante conseguirá visualizar a aplicação e os benefícios oferecidos pelo Centro de Operações, ao conectá-lo com o maquinário e outras soluções inteligentes e integradas da John Deere, e tudo funcionando on-line dentro do estande para mostrar como se dá a comunicação de máquinas e sistemas.

De acordo com estudo divulgado recentemente pela consultoria Berg Insight, o mercado global de agricultura de precisão deve chegar a oito bilhões de dólares até 2022. E o avanço da tecnologia da informação aplicada ao campo impulsionará ainda mais esse mercado, passando a ser o suporte que o agricultor precisa para otimizar sua produção. “O Centro de Operações, aliado ao Conectividade Rural, será peça-chave para transformar de vez a agricultura de precisão no que chamamos de agricultura de decisão: uma realidade em que o agricultor não precisará mais esperar até o fim do dia para tomar uma decisão, pois ele terá os dados em suas mãos para chegar a uma decisão mais assertiva, em tempo real, o que resultará em uma lavoura mais produtiva e rentável”, explica Paulo Herrmann.

Para fomentar a criação destas novas tecnologias, que irão trazer frutos não só para o produtor, mas para toda a cadeia produtiva e sociedade, a John Deere investe, diariamente, em todo o mundo, US$ 4 milhões em pesquisa e inovação, sempre buscando oferecer aos seus clientes o que há de mais moderno na agricultura. No Brasil, a companhia inaugurou o CAPI (Centro de Agricultura de Precisão e Inovação), em Indaiatuba (SP), espaço em que integra sistemas produtivos e busca soluções diferenciadas, com base em inovação, para atender as necessidades de seus clientes.