Boas cervejas e o melhor chocolate é quase que pensamento unânime quando se fala da Bélgica. Além disso, o país teve grande importância na História mundial, conta com belíssimas paisagens e arquitetura, além de ser referência em Inteligência Competitiva Tecnológica. Esse mês, a Embaixada da Bélgica/Flanders Investment & Trade organizou no Brasil uma série de seminários sobre o setor de ICT da Bélgica e suas oportunidades, e o Startupi acompanhou o encontro de SP. Confira abaixo:

Cercada pela França, Holanda e Alemanha, a Bélgica mescla principalmente essas três culturas, evidenciando isso ainda mais pelos idiomas que são falados por lá: o holandês, referido também como “flamengo”, o francês e o alemão. Em seu sistema de governo atual, a Bélgica é uma monarquia parlamentar, ou seja, o Rei Filip é o chefe de Estado, mas dispõe de um poder limitado, que é dividido entre o parlamento federal, que, por sua vez, é composto de um senado e câmera dos deputados.

O país é membro fundador da União Europeia e hospeda a sua sede na capital, Bruxelas. O território também abriga outras organizações como a OTAN e mais de 1500 organizações mundiais. Conta ainda com um hub brasileiro formado por instituições como: Apex Brasil, Unica, EU Brasil, Missão Brasil junto à UE e CNI.

A Bélgica também possui excelente infraestrutura de transporte com os mais modernos portos marítimos e de interiores; aeroportos altamente eficientes para o transporte global de cargas e passageiros. Possui também a mais alta concentração de malha rodoviária e a quarta mais alta concentração de malha ferroviária do mundo. O Porto de Antuerpia, localizado no país, é o segundo maior da Europa e um dos mais centralmente localizado e, é porto de entrada de milhares de produtos.

A região dos Flanders, no norte do país, também possui diversos pontos positivos e uma localização única e central atingindo facilmente mais de 500 milhões de consumidores europeus. Veja abaixo mais características:

  • Desfruta de uma força de trabalho poliglota, produtiva, motivada e flexível;
  • Possui excelente sistema de educação e o segundo melhor sistema de saúde do mundo,
  • 60% do poder de compra europeu está em um raio de 60km de Flanders, possibilitando uma entrega rápida e curto tempo de viagem.

Em entrevista ao Startupi, o especialista belga em ICT , Wim Sohier, que hoje se baseia no Vale do Silício nos Estados Unidos, falou sobre a importância dos empreendedores brasileiros pensarem na internacionalização desde o day 1. Como? Segundo ele, o primeiro passo  pode ser contratar algum estrangeiro para o time da sua startup. Outro passo é viajar para os lugares, conhecer a cultura e o mercado de outros países e fazer com que as outras pessoas conheçam o valor e a relevância do ecossistema de startups do Brasil. 

Quando questionado sobre o motivo pelo qual os brasileiros devem incluir a Bélgica como uma opção para internacionalizar sua empresa, ele afirma que estamos vivendo um momento diferente e a Europa, e principalmente a Bélgica e Flanders, estão super abertas para receber empresas estrangeiras, “As empresas e startups brasileiras que forem para Bélgica serão muito bem recebidas, encontrarão pessoas dispostas a ajudar, mentores com interesses na cultura e empresas brasileiras. Temos um espírito aberto não só no pessoal, mas também no profissional e nossa abordagem é a mesma, queremos contribuir para o conceito de  inovação aberta”, destaca.

Segundo dados apresentados sobre os investimentos em negócios estrangeiros na Bélgica, foram investidos 2.08 bilhões de euros em 215 novos projetos que geraram 5377 novos empregos.

Wim também destaca que a Bélgica e Flanders são muito fortes na educação,ocupando o número 1 do ranking para matemática no mundo, o que significa que a maioria das pessoas optam por engenharia como faculdade. Segundo Win, até pouco tempo o sonho de quem se formava era trabalhar em uma grande multinacional, porém, esse cenário tem mudado e hoje a maioria dos engenheiros querem criar seus próprios negócios, o que faz com que o ecossistema de startups se fortaleça cada vez mais. Muitas startups do país já foram selecionadas pelo Google para um programa de empreendedorismo, e muitas delas receberam investimento. Existe muita coisa feita e criada na Bélgica, mas como Win diz, eles estão acostumados a “not shoutin from the rooftop” ou ser arrogante.

Alguns cases da Bélgica

Para começar, Robert Cailliau, que desenvolveu o conceito da World Wide Web, juntamente com Tim Berners-Lee, era Belga. E o app Shazam, que incorpora um serviço que permite a identificação das músicas, também foi cofundado por Philip Inghelbrecht, que nasceu na Bélgica.

Outro exemplo de startup de sucesso da Bélgica é a GuardSquare, referência global na proteção de aplicativos móveis. Seus produtos são utilizados em todo o mundo em uma ampla gama de setores, desde serviços financeiros, comércio eletrônico e setor público até telecomunicações, jogos e mídia. A CEO, Heidi Rakels, é ex-jogadora de judô e chegou a ganhar uma medalha nas Olimpíadas de 92.

Ubizen – Fornece soluções de segurança gerenciada para empresas globais. Seus serviços ajudam as empresas a planejar e implementar políticas e infraestruturas de segurança. A empresa foi adquirida em 2008 pela Verizon Business.

Limecraft -Desenvolveu uma plataforma completa de produção de mídia e a implantou na nuvem. Ela não requer instalação ou manutenção e está disponível online, tornando-se a solução ideal para suportar operações e coproduções distribuídas geograficamente.

Um case famoso que temos é o da fusão da empresa belga Interbrew com a brasileira AmBev, que originou a InBev. Um ano depois de sua formação, o brasileiro Carlos Brito, assumiu o cargo de presidente-executivo da companhia. O conselho da InBev é formado ainda por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles, Roberto Thompson Motta e Carlos Sicupira, unidos pela GP Investimentos, uma companhia que teve sucesso ao adquirir participações em grupos brasileiros.

Segundo Wim, os setores que vão crescer significantemente nos próximos anos são:

  1. Gaming
  2. Cyber Security
  3. Fintech
  4. Web
  5. Telecom
  6. Media
  7. Image & Video processing
  8. Artificial Intelligence
  9. Digital Health
  10. Internet of Things

O país também possui diversas iniciativas e locais que servem como incubadoras para empresas digitais e centros de pesquisa estratégicos. Conheça algumas delas:

Corda Campus – Campus de tecnologia no coração do Euregio. É uma comunidade empresarial e de startups onde o conhecimento, o trabalho em rede e a troca de conhecimento e ideias, tomam o centro das atenções. Uma equipe altamente qualificada está sempre disponível, uma vez que a universidade e as faculdades próximas oferecem os melhores talentos especializados em diversas áreas, particularmente em TIC. Para os empreendedores eles oferecem ainda espaço de coworking, coaching e supervisão.

B-Hive – Com sede em Bruxelas, atua como uma plataforma de inovação colaborativa para fintechs que reúne grandes bancos, seguradoras e participantes de infraestrutura de mercado.

Imec – Centro internacional de P&D e inovação, que atua no campo de nano eletrônica e tecnologias digitais.

Hangar K – Centro de cocriação para crescimento exponencial, onde startups, empresários e empresas estabelecidas podem apoiar uns aos outros como parceiros, a fim de transcender o seu nível de negócios particular. É um edifício, mas também uma plataforma digital. É simultaneamente uma incubadora e aceleradora, bem como um catalisador e inovador. O Hangar K concentra-se na tecnologia digital na indústria de manufatura (fábrica inteligente), MedTech, EdTech e entretenimento.

MeetDistrict – Coworking localizado em Ghent, dentro da Arena Ghelamco, dentro de um estádio de futebol. O espaço, além de oferecer estações de trabalho individuais e compartilhadas, conta com salas de reunião e espaço para eventos.

Por que expandir sua operação para Bélgica?

O país possui localização estratégica perto do grande mercado consumidor europeu; imóveis a preços acessíveis; mão de obra qualificada; mercado ideal para teste de produtos e incentivos fiscais. Segundo Claudia Rolim, Diretora de Investimentos da Flanders Investment & Trade – Brasil, abrir uma empresa na Bélgica é muito fácil e rápido e o governo oferece diversos incentivos para os empresários e pesquisadores.

Pessoas

  • Isenção de impostos na folha salarial do pesquisador
  • Dedução fiscal por empregado adicional
  • Bonificação em inovação
  • Regime fiscal ao expatriado

Centros de P&D

  • Regras de preços de transferências favoráveis
  • Dedução de investimentos
  • Crédito tributário em P&D
  • Amortizações aceleradas
  • Isenção fiscal para subsídios regionais

A Agência do Governo da Região de Flanders da Bélgica, tem sede em Bruxelas e 76 escritórios pelo mundo, incluindo São Paulo. Eles apoiam empresas da região para fazer negócios no exterior e empresas estrangeiras para iniciar ou expandir operações em Flanders. Eles oferecem todo suporte necessário para organização de visitas, intermediação e coordenação da abertura de empresas na região, auxiliam na escolha do local do escritório, além de passar informações dos aspectos legais para abertura de empresa, contratação de mão de obra e identificar oportunidades de negócios e parceiros. O serviço é gratuito e confidencial. Para mais informações acesse o site.