* Por Elber Mazaro

Este artigo endereça os dois últimos elementos do modelo de transição de executivo para empreendedor, em especial do pilar execução da transição, e que complementam a Experimentação, discutida no último artigo publicado.

Lembro que esta é uma série de artigos que venho escrevendo há mais de dois anos, sobre a minha pesquisa e dissertação do Mestrado em Empreendedorismo e Inovação, concluído no ano de 2017 na FEA-USP.

A pesquisa teve uma parte que levantou a teoria sobre o tema e outra parte com uma análise de conteúdo de entrevistas em profundidade feitas com 10 executivos que realizaram transições para o empreendedorismo, a maioria no auge de suas carreiras profissionais.

Durante o processo de transição, os entrevistados e a própria teoria apontaram a importância de se estar atento a momentos considerados cruciais / chave, pois estes trazem informações novas, sentimentos inesperados e contribuem para uma reavaliação do processo como um todo.

Esses momentos são chamados de Insights e trazem dados e informações que podem levar a um aprendizado ou a uma conclusão sobre algo muito já refletido, mas que, acima de tudo, gere uma linha de ações.

Os tais momentos cruciais portanto, são pontos de inflexão, que podem trazer mudanças importantes e gerar a tomada de uma decisão.

Estar atento a esses momentos, desde o início das reflexões de Autoconhecimento (primeira etapa do modelo), até todas atividades de Experimentação, pode definir o futuro e o rumo da empreitada.

Os momentos de Insights, Mudanças e Decisões precisam ser gerados com base na prática, da Experimentação (último artigo), e discutidos e avaliados, com Apoio, pois trazem as Oportunidades tão buscadas pelos empreendedores, minimizam os Riscos, sugerem Inovações, agregam Aprendizados e Capital, e assim merecem toda a consideração por parte do executivo / profissional que busca a transição para uma função independente e empreendedora.

Finalmente, antes de o processo se reiniciar em ciclos, o último componente levantado durante as pesquisas é que a busca por Apoio, tanto pessoal quanto profissional, deve ser priorizada. Ninguém realiza uma transição de vida, como a estudada e relatada nesses artigos, sozinho.

Um tipo de Apoio importante é o pessoal. Durante o processo, muitos dos entrevistados, disseram que a transição não é fácil, exige coragem, e alguns até chegaram a se arrepender ou tiveram de desistir num momento. Eles reportaram que o Apoio pessoal da família, de amigos, ou até mesmo profissional, foi muito importante, inclusive nos Momentos de Mudança e Decisão, mencionados como relevantes no processo. Relataram-se momentos de busca por Apoio psicológico, de coaching ou mentorias, que trouxessem  ferramentas, métodos e técnicas úteis para a transição, para o Autoconhecimento e para a própria Experimentação.

Outro tipo de Apoio, importante para a transição, é o que há disponível hoje no mercado, conhecido como Apoio ao Empreendedor. Existem incubadoras, aceleradoras, espaços de coworking, mentorias, consultorias e diversas entidades, como o Sebrae e a Endeavor, que buscam apoiar aqueles que decidem lançar-se como empreendedores no mercado, com seu próprio negócio, como os executivos entrevistados na pesquisa.

Alguns dos entrevistados se ressentiram desse apoio quando realizaram as suas transições há um bom tempo e outros estavam tão focados que não buscaram informações adicionais, mas aqueles que tiveram acesso e proativamente foram atrás desse tipo de Apoio reportaram perceber grande benefício, e muita relevância, em especial nos momentos já citados de Insight, Mudanças e Decisões.

O Apoio de quem está ligado ao mundo empreendedor pode vir do seu próprio Capital Social (já explorado em artigo específico) e deve fazer parte do plano de expansão e desenvolvimento dele,  além de trazer como resultado o crescimento do Capital Intelectual e pode até ajudar com o Capital Financeiro;  por isso foi apontado como tão relevante pela maioria dos entrevistados na pesquisa.

O processo de transição pode nunca ser concluído, devido a uma dinâmica típica dos empreendedores: de busca por Realização, por Ajudar as Pessoas, por novos Objetivos e Metas, por aumento dos Capitais, novas Oportunidades, Inovações e Aprendizados, que geram Insights, Mudanças e Decisões, devidamente Apoiadas.

Como conclusão, apontada durante o estudo desta disciplina, a transição de executivo a empreendedor pode ser cíclica: alguns dos entrevistados chegaram a realizá-la mais de uma vez após retornarem ao mercado corporativo e mais uma vez buscarem empreender por conta própria.

A recomendação final para o processo considera que este não precisa ser linear na execução dos blocos e etapas apresentados durante toda esta série de artigos e no modelo completo, mas é importante se planejar, executar, avaliar e agir / ajustar o tempo todo.

O ciclo reinicia-se a qualquer momento e pode ser constante como mencionado nas entrevistas. É viável até ser a busca por uma identidade diferente de qualquer empreendedor, o qual pode beneficiar-se do processo proposto e estudado.

É preciso analisar e muitas vezes abandonar hábitos, relacionamentos e conceitos aprendidos, para poder embarcar numa jornada de Experimentação, aprendizados e auto-avaliações contínuas, em busca de novos objetivos e destinos ou novas identidades profissionais.

Assim, concluo esta série de artigos mas não a discussão do tema, das características do ambiente e de experiências de executivos e empreendedores que seguirão sendo exploradas. Grato à oportunidade de compartilhar meu processo de aprendizado e àqueles que leram e participaram deste ciclo.


Elber Mazaro - Espaço do ExecutivoElber Mazaro é assessor/consultor, mentor e professor em Estratégia, Tecnologia, Marketing, Carreiras/Liderança e Inovação/Empreendedorismo. Atua há mais de 25 anos no mercado, liderando negócios no Brasil e na América Latina. Possui mestrado em Empreendedorismo pela FEA-USP, pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação.