* Por Exame.com

Quem se lembra do Dadinho? O doce de amendoim em formato de cubo foi lançado em 1954 com o nome de Quarto Centenário, em homenagem aos 400 anos da fundação de São Paulo. Mesmo com tanta história, a marca precisa se reinventar – e abraçar a tecnologia – se quiser continuar caindo nos gostos dos consumidores mais fiéis e conquistar os mais novos.

Por isso, foi lançada uma loja virtual não apenas vendendo o clássico cubo, mas também com doces mais modernos e presentes estampados com a marca.

“O carinho do consumidor é algo muito difícil de conseguir, mas nós temos. Mesmo assim, não queremos ficar presos nas lembranças da infância. Traremos uma linguagem mais próxima e mais acesso por meio da tecnologia e, com isso, apresentaremos o Dadinho para novas gerações”, afirma Anderson Siqueira, gerente de marketing do Dadinho.

Em quase três meses de operação, o e-commerce teve uma operação modesta, mas com preços surpreendentes. Foram 200 pedidos a um ticket médio de 100 reais, valor muito acima do visto anteriormente pela marca. Com os anos, espera-se que as novas tecnologias representem uma parte significativa das vendas do doce de amendoim.

“O consumidor tem um grande acesso à internet e às redes hoje em dia. Ao mesmo tempo, há muita comodidade e simplicidade em pedir e receber produtos em casa. Acho que a atuação digital será um braço interessante para nós.”

Loja virtual do Dadinho

Loja virtual do Dadinho (Dadinho/Divulgação)

Reposicionamento de marca e investimentos futuros

Não é de hoje que o Dadinho pensa em se reinventar. O Dadinho hoje em dia pertence à marca Doce Sabor e é fabricado pela Bono Gusto em Ribeirão Preto (São Paulo).

Mesmo produzindo 200 toneladas dos tradicionais dadinhos todos os meses, a empresa-mãe percebeu que o doce estava perdendo mercado nos últimos tempos. Em uma pesquisa de mercado, percebeu que os adultos sentiam nostalgia do doce, mas o consideravam uma iguaria de sabor infantil.

Por isso, a empresa decidiu fazer um reposicionamento de marca a partir de 2016. O negócio aumentou sua presença nas redes sociais e lançou novos produtos feitos com base no Dadinho. Alguns exemplos são bombons, o dadinho cremoso em pasta e wafers.

As postagens em redes como Facebook e Instagram geraram 263 mil seguidores e perguntas sobre onde comprar os lançamentos. Antes voltado para atacados, os novos doces do Dadinho ainda não tinham grande penetração nos varejos. Da necessidade surgiu a ideia de criar um e-commerce e atender tais principalmente consumidores nas cidades sem capilaridade de Dadinhos.

“Nossa primeira meta é que seja um canal de fácil acesso para nosso consumidor achar nosso produto. A segunda meta é fortalecer a marca e nossas novas linhas”, afirma o gerente de marketing.

Tanto o Dadinho original quanto os novos produtos estão presentes na nova loja virtual. Há também itens exclusivos da internet e que apostam na tendência retrô, como almofadas, aventais, camisetas, canecas, ioiôs, luvas de cozinha e piões.

Os 200 pedidos que o e-commerce recebeu até agora, a um ticket médio de 100 reais, estão bem divididos entre comestíveis e “gifts”.

Para o futuro, a Doce Sabor pensa em lançar mais uma linha de brinquedos e presentes com a marca Dadinho. Como é uma iniciativa nova para a empresa, metas de vendas serão definidas apenas no final deste mês, quando o e-commerce compilará seu resultado trimestral. Para o doce de 64 anos de idade, há apenas uma certeza: ficar parado não é uma opção.

* Por Mariana Fonseca, para Exame.com