* Por João Kepler

Isso mesmo, você não leu errado o título deste artigo. Vamos aos pontos:

1. Não preciso lembrar que é um investimento de alto risco;

2. Que demora em média 6,8 anos para ter alguma possibilidade de saída;

3. Dificilmente você terá algum dividendo no período;

4. Você precisa investir em pelo menos 10 negócios para ter alguma chance de um bom retorno sobre o investimento realizado,

5. Você tem que ajudar a Startup a crescer para aumentar o valuation e seu IRR anual.

Os cinco motivos acima são apenas parte da resposta para justificar o porquê não se “aventurar” em investir em Startups.

Além disso, destaco também que os critérios de seleção das startups é fundamental. A escolha inicial deve partir de um filtro, o que chamamos de TESE, nela você determina qual segmento estaria disposto a entrar, qual o modelo de negócios, qual o valor máximo para investir, qual o estágio do negócio, que tipo de empreendedores, entre outros pontos que precisam ser levados em consideração. Principalmente, deve ter claro no que você não quer investir.

Após isso, em relação as que passaram pela tese você deve buscar referências, opiniões, pesquisar, verificar a validação e na sequência negociar com os Empreendedores fundadores o valuation do negócio, participação, modelo de contrato e etc., ou seja, trabalho que merece muita atenção, tempo e cuidados.

Mas mesmo assim se você insiste em investir em Startups, preciso te mostrar mais alguns desafios presentes neste tipo de investimento:

1) Você precisa gostar de GENTE;

2) Tem que ter tempo para se relacionar;

3) Fazer mentoria;

4) Entender e acompanhar KPI’s;

5) Não pressionar, mas colaborar;

6) Não ser ansioso;

7) Não se arrepender no meio do caminho;

8) Ser acessível e flexível para os empreendedores;

9) Pensar em estratégias e parcerias para o negócio,

10) Lidar com empreendedores uncoachable.

Sim, é preciso se qualificar e se preparar para fazer este tipo de investimento. Por isso, deixa eu te contar um pouco da minha experiência nos últimos 10 anos. De 2008, quando comecei a investir, até 2016, eu já tinha perdido dinheiro em 15 startups e só tive saída em apenas três negócios. No entanto, em apenas um eu tive um excelente retorno efetivo do investimento que pagou todos os investimentos anteriores (liquidez). As demais restantes estou ainda acompanhando o crescimento para um dia poder ter meu valor investido multiplicado e mais histórias positivas para contar.

Viu como não é fácil? Não se trata apenas de colocar seu dinheiro e voltar um tempo depois para ver no que deu. É um exercício de paciência que requer muita experiência e dedicação.

Não quero desestimular ninguém, mas sei o quanto é importante ser realista e mostrar os prós e contras. As informações que listei aqui nem sempre são mencionadas e é aí que mora o problema na maioria das vezes.

Se vai mesmo investir, meu conselho final é: retire apenas uma pequena parte da sua reserva financeira para investimento em Startups, isso não é um jogo, ou seja, não aposte tudo que tem nesse tipo de operação. Esteja ciente de que você pode perder todo o dinheiro que investiu, isto faz parte e se você topar entrar, precisa ter consciência disso.

Colocar seu dinheiro em startups é trabalhar em conjunto, compartilhar para somar.

Cada vez mais as pessoas estão despertando para novas alternativas de investimento e apesar do alto potencial de retorno chamar atenção, as startups não são definitivamente a alternativa mais “fácil” para ganhar dinheiro.

E por último e tão importante quanto: opte sempre por fazer parte de um grupo de investidores ou siga a assertividade de algum investidor de startups que admira e confia. Ao fazer isso você diminui suas chances de errar. Grupos que são sólidos e estruturados, criam critérios e uma lógica para avaliar startups, sem contar que cuidam de questões burocráticas e, claro, são mais cabeças pensantes e mais experiência envolvida no processo como um todo.


joãoReconhecido como um dos conferencistas mais sintonizados com Inovação e Convergência Digital do Brasil; Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e vendas; Investidor Anjo desde 2008; Participa em mais de 100 StartUps; Lead Partner da Bossa Nova Investimentos; Premiado como melhor Investidor Anjo do Brasil pelo Spark Awards da Microsoft; Palestrante internacional; Escritor e autor e coautor dos Livros O vendedor na Era Digital, Vendas & Atendimento, Gigantes das Vendas e Educando Filhos para Empreender; Premiado como um dos maiores Incentivadores do Ecossistema Empreendedor Brasileiro.