* Por Igor Chalfoun

Donos de startupso pessoas que batalham por cada centavo para fazer sua empresa crescer. Mas, eventualmente, o pensamento Bootstrapping (fazer o máximo com o mínimo possível), presente em todas as startups, precisa ser deixado de lado para que a empresa ganhe escala. Por isso, muitas vão atrás de investimentos, como investidores-anjo e venture fundings.

O fator que mais demonstra a maturidade da empresa para passar por esse processo é justamente seu planejamento para investir o aporte recebido. Os investidores efetivamente contribuem com sugestões, mas isso somente ocorre nos estágios finais de negociação. Até chegar lá, é necessário ter um bom plano. Dentro de todo esse contexto, como planejar os investimentos de forma correta?

A resposta para essa pergunta nem sempre é fácil porque startups variam em tamanhos e áreas de atuação. Mas, de maneira geral, os investimentos se concentram nos seguintes setores:

  1. Planejamento estratégico: Ter um planejamento estratégico já estruturado é essencial. Ele será revisto junto com os investidores antes do aporte, mas apresentar de antemão um plano de crescimento – e de gastos com inteligência – é fundamental. Com o dinheiro em mãos, não perca o foco de seus objetivos. Parece um pouco clichê, mas gerenciar bem os gastos é necessário em um ambiente empresarial onde 74% das startups morrem após cinco anos de existência. Dessas, 18% morrem antes mesmo dos dois anos de funcionamento. Por outro lado, mostrar para os investidores que você sabe gerenciar bem o dinheiro em caixa é um atrativo para futuros investimentos.

  2. Produto: Considere a possibilidade que seu produto poderá sofrer alterações para ser melhor assimilado pelo mercado, e, preveja isso em seus gastos e em seu planejamento de tempo. Evite o erro de gerar novos produtos enquanto sua empresa não estiver completamente estabelecida após o investimento.

  3. Equipe: Estruturar a equipe é pensar principalmente em trazer para dentro da empresa profissionais que complementem os pontos falhos dos empreendedores. É comum ver startups com empreendedores muito técnicos focando em como evoluir o produto e deixando em segundo plano a estruturação de um time comercial de sucesso.

  4. Marketing e vendas: Ter um bom produto e dinheiro em caixa não garantirá boas vendas. Estruturar um setor comercial e construir um planejamento de marketing que apresente bem a sua empresa e o seu produto como o mercado precisa são desafios complexos no qual a maioria dos empreendedores subestimam.

Independente das dicas, o mais importante é que o CEO compreenda que os aportes precisam focar unicamente em evoluir os pontos estratégicos que irão proporcionar o crescimento acelerado da empresa. Conheça sua startup e seu mercado. Só assim ele terá capacidade de tomar a decisão mais apropriada e fazer as escolhas certas para o seu crescimento.


Igor Chalfoun é CEO e cofundador da Tbit, startup mineira que cria sistemas de análise de sementes a partir de Inteligência Artificial e processamento digital de imagens. É formado em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Lavras e tem MBA em Gestão de Negócios pela USP.