Glovo, startup espanhola de entregas rápidas, inicia as operações no Brasil. O lançamento integra um plano estratégico que tem como objetivo fortalecer a marca na América Latina logo após a abertura de operações na Argentina, Chile e Peru. A partir de uma joint venture com a Cabify na América Latina, plataforma de mobilidade urbana, a empresa tem como proposta o modelo de “Multidelivery on-demand” que, já consagrado em países como Espanha e Itália, expande o conceito de entregas rápidas com preços mais competitivos. No país, a startup chega praticando entregas com taxa fixa de R$ 6,90 nos primeiros 3 meses de operação.

Inspirado pelos modelos de negócios como o do Airbnb, o jovem empresário e engenheiro aeroespacial Óscar Pierre fundou a Glovo em fevereiro de 2015, a partir da ideia de que é possível otimizar o tempo de maneira consistente com o uso de um serviço que entrega qualquer coisa de forma muito mais rápida. Por isso, o app permite comprar, receber ou mesmo enviar qualquer item em poucos minutos dentro de uma mesma cidade. Hoje são mais de 3,5 mil estabelecimentos associados à marca – como o McDonald’s que, na Itália e Espanha têm o app como parceiro exclusivo de entregas, além de 4 mil “glovers” (apelido dos entregadores) espalhados por mais de 25 cidades ao redor do mundo. “Permitimos que, a qualquer momento, todo tipo de estabelecimento comercial se conecte aos perfis dos usuários da Glovo, otimizando o tempo e transformando a forma como os clientes adquirem novos produtos e os recebem em suas casas”, explica Pierre.

A empresa iniciará as operações no Brasil com foco em bairros de São Paulo e Rio de Janeiro, mas já possui planos para chegar a 12 cidades até o mês de junho. Os “glovers” poderão se cadastrar na plataforma para realizar entregas de motocicleta, podendo ser remunerados de acordo com o número de pedidos atendidos, tempo e distância percorrida.

Glovo já tem um Country Manager definido: Bruno Raposo, ex-Peixe Urbano e ImóvelWeb, abraça a aposta da empresa espanhola em território nacional. “O mercado de delivery no Brasil tem crescido acima de 10% nos últimos anos e muitos empresários estão atentos a esta demanda. Assim, acreditamos que o país tem grande potencial para se tornar um dos nossos maiores mercados nos próximos anos”, analisa o executivo, destacando que a joint-venture com a Cabify prevê que a Glovo assuma a operação do Cabify Express, serviço de entregas rápidas.

Dividido em sete categorias de serviços, o aplicativo atende parceiros como farmácias, supermercados, lanchonetes e restaurantes, além de outros de diversas naturezas. “O ponto é que não ficamos restritos à entrega de comida, este é um dos principais diferenciais da Glovo“, ressalta Raposo. O aplicativo traz a função “o que quiser”, através da qual o usuário pode solicitar qualquer produto com assistência de um tipo de “concierge” pessoal. Ao escolher por esta funcionalidade, a startup assume a mediação do contato entre o comprador e fornecedor, de forma a levantar as especificações exatas dos itens requisitados e monitorar todo o serviço, da aquisição à entrega das encomendas ao cliente.

O modelo de negócio da Glovo ainda contempla uma grande rede de suporte aos clientes, composta por call centers terceirizados e equipe de atendimento dedicada. Os “glovers”, por sua vez, também passam por palestras informativas oferecidas pela startup, para que as entregas sejam realizadas com o máximo de cuidado, agilidade e eficiência.