O womenwill é um programa do Google para capacitar mulheres brasileiras a criar suas próprias oportunidades econômicas, tornando-as confiantes e habilitadas para aproveitar todo o potencial do digital, seja iniciando um empreendimento, mudando de carreira ou encontrando um emprego.

O Brasil é o quinto país a receber o programa. Em 2017, o Google realizou um piloto do programa com 100 moradoras de Paraisópolis e Brasilândia, em São Paulo, para entender quais são as necessidades reais delas e construir um treinamento relevante e efetivo. A experiência foi registrada em um documentário produzido e dirigido pela Hysteria, braço feminino da Conspiração Filmes.

Em 2018, o Google realizará o projeto mensalmente no Campus São Paulo e as inscrições podem ser feitas aqui. Serão 16 horas de treinamento, divididas em dois dias, focando especialmente em grupos femininos de minorias, como mães solteiras, transgêneros ou mulheres com deficiências. Esse conteúdo também será disponibilizado ao vivo no YouTube. O objetivo este ano é capacitar 10 mil mulheres.

Cenário brasileiro

Quando o assunto é desigualdade econômica, o Brasil está em 91º lugar de 144 países no relatório de desigualdade de gênero  elaborado pelo Fórum Econômico Mundial em 2016. Essas distâncias foram ressaltadas devido à crise econômica e política que o país tem enfrentado nos últimos anos. Prova disso é o fato do desemprego entre as mulheres ser 30% maior na comparação com os homens.

Melhorar as habilidades das mulheres para lidar com o mundo digital ajudaria a alcançar  igualdade no trabalho 40 anos mais rápido, segundo a consultoria Accenture. Por isso, conectá-las ao mundo on-line e fornecer as ferramentas necessárias para que possam usufruir ao máximo do digital é essencial para reverter o cenário brasileiro.

Investir na formação das mulheres é incentivar que encontrem novas oportunidades de trabalho, melhorem suas carreiras e abram seus próprios negócios. Além disso, é uma maneira de garantir crescimento para o país, pois o PIB poderia ser 30% mais alto se as mulheres participassem do mercado de trabalho na mesma proporção que os homens.