A Uber anunciou ontem, em seu blog, que suspenderá as atividades no Marrocos a partir de 23 de fevereiroEnfatizando sua decisão de suspender suas atividades no país, Uber disse que “Infelizmente, desde o nosso lançamento no Marrocos, há quase 3 anos, não tivemos nenhuma clareza sobre a integração de aplicações como a Uber no modelo de transporte existente.”

“É por isso que tomamos a difícil decisão de suspender nossa atividade no Marrocos”, explica o comunicado. Recordando as conquistas feitas pelos seus serviços no país desde o seu lançamento, a Uber disse que “quase 19 mil usuários regulares viajam com Uber, enquanto aproximadamente 300 motoristas usam nosso aplicativo.”

No entanto, “a atual incerteza regulatória não nos permite fornecer uma experiência segura e confiável que atenda aos requisitos de nossos clientes, motoristas e passageiros”, explica o comunicado. A empresa disse que irá fornecer os 300 motoristas cadastrados para quem a Uber foi uma fonte de renda um suporte individual “para superar esta difícil transição”.

A empresa expressou seu desejo de manter seus serviços no Marrocos como o país norte-africano “classificado entre os 50 países mais inovadores, de acordo com o Bloomberg Innovation Index”. A empresa americana acrescentou que o país merece uma regulamentação mais desenvolvida, o que incentiva a inovação e a concorrência .

“Nossa parceria com a COP22 em novembro de 2016 nos permitiu facilitar mais de 10 mil viagens de veículos híbridos e elétricos em menos de uma semana. E sabemos que ainda há muitas oportunidades para colocar nossa tecnologia ao serviço da mobilidade no Marrocos.”

Nos últimos meses, os taxistas na cidade de Casablanca tem organizado protestos contra o que chamam de “concorrência desleal” dos apps Uber e Careem.

Os taxistas do centro econômico de Marrocos afirmam que são vítimas de Uber e Careem e que estão determinados a remover esses serviços de transporte de Marrocos.

Fonte: Morocco World News