A Wuzu lança no Brasil, neste mês, uma plataforma com as quatro principais criptomoedas, o Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash e Litecoin, por meio de uma tecnologia de última geração, conferindo às transações com criptomoedas agilidade, segurança e conformidade com todos os padrões da indústria financeira global. Nos últimos 13 meses, o volume negociado em Bitcoin no Brasil saltou de R$210 mil para R$113 milhões por dia, segundo dados do mercado.

A Wuzu possibilitará a criação de uma rede de corretoras de criptomoedas para realizar a conexão entre dois ou mais pontos de negociação, na qual quando uma ordem é enviada em uma ponta, qualquer corretora da rede pode acessá-la em outra, garantindo maior liquidez para executar as ordens e maior eficiência, com segurança garantida.

“O mercado de criptomoedas, uma evolução do mercado financeiro tradicional, é uma realidade e tem transformado o fluxo global de capitais. Diferente dos sistemas atuais de negociação de criptomoedas, o sistema da Wuzu tem uma arquitetura escalável baseada nas principais bolsas de valores do mundo. A linguagem utilizada é de ponta, resultando em uma capacidade de execução superior a qualquer outro sistema disponível no mercado”, afirma Anderson Nery, cofundador da plataforma.

Com a arquitetura pensada como ambiente de bolsa, a Wuzu pode listar um novo ativo a cada duas semanas, sendo que cada ativo tem sua arquitetura segregada. Os contratos derivativos de criptomoedas também serão adicionados ao longo de 2018.

“A arquitetura segura da Wuzu possui tecnologia baseada em microsserviços. Trata-se de um método de desenvolvimento de arquitetura com um conjunto de serviços modulares e independentes, no qual cada serviço executa um processo único, que oferece suporte para diversas plataformas e dispositivos, incluindo web, smartphones e dispositivos IoT – Internet das Coisas”, explica André Carrera, também cofundador.

A implementação do sistema é rápida e apresenta custos 10 vezes menores, quando comparado às outras soluções existentes no mercado.