A crescente popularidade dos drones, seja para lazer ou uso comercial, evidenciou o desafio que é facilitar o trânsito no espaço aéreo em altitude muito baixa. Como objetos aéreos, os drones são contemplados pela lei da aviação. No entanto, esse é apenas parte do desafio para os drones. Como voam em espaços aéreos baixos, os drones também precisam levar em conta obstáculos, edifícios e privacidade das pessoas.

Para que os drones autônomos operem de forma segura e previsível, o acesso a fontes de dados ricas e precisas é fundamental. É necessário ainda adotar padrões de operabilidade, assim como ocorre na indústria da aviação. Para atender a essas demandas, a Here Technologies está se juntando a Unifly para a plataforma de gerenciamento de tráfego não tripulado (UTM), de modo a desenvolver mapas de espaço aéreo 3D para drones.

A ação será dividida em duas fases. Na primeira, as empresas criarão um sistema de mapeamento composto por polígonos bidimensionais. Isso abrangerá as áreas rurais e urbanas e marcará corredores de vôos e zonas de exclusão aérea, como aeroportos, áreas residenciais e instalações governamentais sensíveis. Inicialmente, nos concentraremos em disponibilizá-lo nos Estados Unidos e na Europa Ocidental até o final de 2018.

Na segunda fase, desenvolverão este sistema em um mapa de espaço aéreo tridimensional. Essa visualização do espaço aéreo permitirá o gerenciamento do fluxo de tráfego de drones e até a detecção de colisões, como os controladores de tráfego aéreo fazem para a indústria aérea atualmente.

Da mesma forma que a Here Technologies transforma os dados de sensores em tempo real gerados por milhões de veículos de passageiros na estrada em informações de mapas e novos serviços de localização, os próprios drones também podem ser empregados para permitir a autocorreção do mapa do espaço aéreo. Equipado com vários sensores sofisticados, os drones podem detectar mudanças no ambiente do mundo real e alimentar os dados de volta à nuvem para suportar as atualizações do mapa.

Ao agregar dados de muitos drones, a parceria pode permitir uma visão tridimensional do mundo, com informações precisas sobre condições climáticas hiperlocais, riscos potenciais e as melhores rotas navegáveis.