* Por Raphael Marques

Gigante do crowdfunding (ao lado da Kickstarter), Indiegogo vem afirmando-se como uma plataforma internacional ao apresentar maior flexibilização nas regras de cadastro de campanhas, permitindo receber projetos de qualquer canto do mundo utilizando até cinco moedas de escolha para o financiamento.

O perfil vai na contramão do restante que opta por uma curadoria mais restrita na escolha de campanhas, e em casos, ainda, com a obrigação do uso da moeda predominante do país que lançar o projeto. O carioca Frederico Ribeiro, diretor de hardware da Indiegogo, conta que a América Latina tem estado presente no portfólio da empresa com cases de sucesso liderados por países como, por exemplo, o Chile. Ele espera que esse aumento de visibilidade na região, aliado às condições oferecidas pela empresa, atraia empreendedores brasileiros a lançarem suas primeiras campanhas.

“Estamos abertos ao Brasil, pois queremos novos projetos para a plataforma. Nosso foco é em tecnologia e design, produtos como drones, wearables, impressoras 3D, e-bikes e tantos outros. Enquanto algumas empresas focam mais nos apoiadores, nós focamos mais nos empreendedores, os responsáveis por criarem as campanhas. Desde o começo, temos facilitado a experiência, pois nosso objetivo é ser uma plataforma internacional”, diz Frederico.

Frederico Ribeiro, diretor de hardware da Indiegogo

A partir de uma nova mentalidade utilizada em suas recentes campanhas, ele afirma que a empresa procura tornar-se um parceiro não só no início da ideia do produto, mas até a entrega daquilo prometido.

“Queremos ajudar os nossos empreendedores a crescerem como empresa. Apoiamos também em outras fases do desenvolvimento, por meio de parceiros de vários setores que podem ajudar a produzir o produto. Orientamos, por exemplo, qual a fábrica certa ou o tipo de conteúdo a ser promovido”, explica.

Antigamente, o mercado de crowdfunding foi sendo construído como algo exclusivo de startups. Isso mudou com a presença de empresas de renome no segmento que, hoje, movimenta bilhões.  Na própria Indiegogo, companhias como a Motorola lançam campanhas para procurar novas tecnologias ou mesmo produtos específicos a serem incorporados por ela.

O crowdfunding vem sendo eficiente em satisfazer o consumidor. Pois, diferente de modelos tradicionais de vendas, essa conexão com o cliente feita passo a passo, com constantes feedbacks, valida e entrega o produto bem mais rápido e com mais economia.

Por ser uma plataforma global, é possível enxergar na Indiegogo uma majoritária presença de produtos com potencial de consumo em diversos países. Um caso exemplar é o da família australiana responsável por criar uma tecnologia caseira em extrair mel sem movimentar a colmeia e causar transtornos para as abelhas. A campanha arrecadou mais de 13 milhões de dólares e até hoje é a de maior sucesso da empresa, tendo alcançado um suporte global.

Equity crowdfunding veio para ficar

Uma das ramificações do crowdfunding é, justamente, o equity crowdfunding, que permite ao apoiador investir na criação de uma startup e ser recompensado com participações na mesma, por exemplo, ou com ações, ou com títulos de dívida. Frederico Ribeiro confessa que a modalidade ainda está na sua infância, mas projeta que no futuro a expectativa é de ser mais comum do que aportes tradicionais, como o capital de risco e o private equity que direciona os investimentos às empresas já em grande crescimento.

“Faz menos de um ano que adotamos esse modelo e até agora temos tido bastante sucesso. Aqui lidamos mais com investimento, propriamente dito, então as empresas que costumam participar tem um perfil mais avançado, como relatório de faturamento, pitch deck, equipe, vendas, produtos.”

O Brasil ainda se encontra na puberdade do crowdfunding e dá os primeiros passos nessa outra ramificação. Porém, ao atrair a atenção dos fundadores da prática, vemos que o país tem potencial a contribuir muito no ramo.


 Raphael Marques da Silva é jornalista, especialista em Relações Internacionais (PUC-Rio) com experiência na cobertura de pautas ligadas à ciência, biotecnologia e inovação.