* Por Dagoberto Hajjar

Eu estava fazendo consultoria para o presidente de um grande banco e ele me convidou para assistir uma apresentação de um fornecedor. Depois de 15 minutos ele saiu da sala e sinalizou para eu acompanha-lo. “Estou muito cansado, não consegui entender o que ele estava apresentando, espero que meu pessoal consiga captar”, disse o presidente. “Ainda bem que você está cansado, senão você teria percebido que a apresentação foi péssima e dificilmente alguém vai entender ou reter qualquer mensagem dali”, eu disse.

Hoje os executivos sofrem de excesso de informações. Muitos participam de mais de 10 reuniões por semana, assistindo apresentações de vários fornecedores ou projetos. Então, o profissional que quiser ter sucesso terá que fazer apresentações marcantes, fazendo com que a plateia entenda sua proposta e lembre da sua mensagem.

O uso adequado de táticas e boas práticas de apresentações permitem que qualquer profissional possa elaborar e comunicar um conteúdo de alto impacto, aumentando substancialmente a taxa de absorção e retenção.

Uma apresentação bonita não é, necessariamente, uma boa apresentação. Uma boa apresentação é aquela que vai ser lembrada quando necessário.

Alguns técnicos usam o software de apresentação para absolutamente tudo. Escrevem documentos complexos, propostas detalhadas, teses, manuais ou mesmo projetos inteiros com letras miúdas, diagramas, setas e referências cruzadas. Talvez ficasse lindo se fosse impresso em um grande mural, mas o vendedor pega estes slides “carregados” e “poluídos”, e leva para apresentar para o presidente ou diretor da empresa.

Alguns vendedores têm medo de esquecer o que vão falar, então, escrevem tudo nos slides, ou ainda pior, colocam anotações “para ele se lembrar” sem qualquer sentido para quem lê o material.

Eu tinha um chefe que fala “apresentação é para ser apresentada”. Não é para ser lida, não é para ser enviada, não é para ser utilizada como “documento” nem como “tele-prompter”. O ator principal é o apresentador e não o slide. O slide é um recurso AUXILIAR importante, mas o cliente tem que investir seu tempo ouvindo o apresentador e não lendo o slide ou tentando imaginar o que é aquela palavra “solta”. Se, ao final da apresentação, você quiser distribuir algum material adicional, então, que seja um documento, um folheto ou alguma coisa que possa ser lida e compreendida. Se você montou, muito bem, os slides para serem apresentados, então, eles serão péssimos para quem quiser ler e entender. São propósitos totalmente diferentes.

Montar uma boa apresentação é uma arte. Mas é uma arte que pode ser aprendida e desenvolvida. Hoje temos metodologia, técnicas e conhecimentos de boas práticas para todas as etapas do ciclo de vida de uma apresentação incluindo: planejamento da apresentação, desenvolvimento do conteúdo, aplicação gráfica e design, treinamento e ensaio do que será apresentando, e a exibição final. São horas e horas investidas para garantir que sua apresentação seja “matadora”.

Certa vez ouvi de um vendedor “meus slides estão feios, mas o que importa é o conteúdo”. Ele estava MUITO ERRADO. Em uma apresentação existe muito mais sendo transferido do que apenas palavras. Existe uma parcela não-verbal e é aqui que está a mágica…O design do slide tem grande impacto da mesma forma como seus gestos, postura, expressão facial, contato visual, voz, cadência vocal, e…a paixão.

Você já deve ter finalizado uma apresentação pensando “hoje eu estava inspirado e a audiência adorou…”. Sim, a audiência adorou e, muito provavelmente, vai lembrar de você e da sua apresentação quando for necessário. Sua apresentação “marcou”. E é isso que buscamos. Fazer uma apresentação que marque e que seja lembrada. Então o componente emocional é muito importante.

E você é o ator principal, responsável pelo sucesso da sua apresentação !!!


Foto_Dagoberto_150x150Dagoberto Hajjar trabalhou 10 anos no Citibank em diversas funções de tecnologia e de negócios, 2 anos no Banco ABN-AMRO, e 9 anos na Microsoft exercendo, entre outros, as atividades de Diretor de Internet, Diretor de Marketing e Diretor de Estratégia. Atualmente é sócio fundador da ADVANCE – empresa de planejamento e ações para empresas que querem crescer.