* Por Josiane Lima

Em meio a tantas repercussões de casos polêmicos envolvendo grandes empresas como o Google, Airbnb e Uber, temas como o racismo, machismo, lgbtfobia e a inclusão da diversidade no meio corporativo estão em alta nas redes sociais. Diante disso, cabe às instituições trazerem a discussão sobre esses assuntos para dentro das corporações, a fim de que líderes e gestores tenham um preparo melhor para lidar com o tema dentro e fora das empresas.

Após oitos anos de atuação em uma varejista global, aterrissei no universo das startups, assumindo a direção de Recursos Humanos do GetNinjas. Cheguei com muito bons olhos para esse mercado, porque se tem algo muito positivo neste ambiente é que aqui, de fato, as pessoas são e se vestem como se sentem à vontade. E o ambiente é muito diverso. Além disso, percebo que a equipe tem muita sede de conhecimento, de fazer a coisa certa e por quê não, de mudar o mundo.

E, com o objetivo de promover o debate social e de trazer um maior preparo não só aos líderes, mas também a todos os funcionários, aqui no GetNinjas realizamos um encontro bimestral, chamado Gente Ninja. O evento, que é organizado pelos próprios funcionários para discussão de diversidade e inclusão, abordou nas últimas edições os temas PadrãEstético e Machismo. No próximo, que ocorrerá em dezembro, o foco será a discussão de Gênero e Orientação Sexual.

Nossa startup, que hoje já conta com mais de 100 funcionários, entendeu que para ser diferente não bastava apenas contratar pessoas diversas, precisávamos incentivar e aprofundar debates com temas que recorrentemente temos dúvidas. Possuímos opiniões que destoam muito, carregamos preconceito e, nesse sentido, queremos com o Gente Ninja unicamente dialogar. Apesar do consenso em debates ser, geralmente, alcançar um consensoo que ocorre muitas das vezes é o oposto, não chegarmos num acordo. Mas, tudo bem, o importante aqui é abrir a mente, transformar visões e refletir.

Muitas pesquisas já mostram o quanto é importante trabalhar a Diversidade nas organizações. Um estudo realizado pelo Hay Group no Brasil, entre 2010 e 2014, revelou que desempenho de funcionários em um ambiente corporativo em que a diversidade é incentivada é 50% maior do que nas empresas em que não há essa preocupação. Sendo que essa eficiência não reflete apenas no desenvolvimento de pessoas, mas também no financeiro, a mesma pesquisa aponta que empresas com funcionários mais motivados têm sua receita líquida crescendo 4,5 vezes maior.

Para entender os resultados do nosso encontro, realizamos uma pesquisa de satisfação com os funcionários que participaram da primeira edição. Dos presentes, 100% declarou ter gostado do tema abordado, 72% consideram de muita importância a discussão do assunto no ambiente corporativo e 80% consideraram excelente a iniciativa do projeto interno. escolha pelo tema ‘Machismo’ veio dos próprios funcionários, por meio de voto aberto, realizado ainda no 1º Encontro. No início da apresentaçãoo projeto trouxe os resultados do ‘censo’, que apontaram a realidade da diversidade na empresa em relação às religiões, raças, idades, crenças, graus de escolaridade, orientações sexuais, classes sociais e gêneros.

Outra pesquisa apresentada pelo projeto Gente Ninja para o 2º Encontro, foi aberta com exclusividade para as funcionárias do sexo feminino sobre machismo no ambiente de trabalho e, com ela, constatou-se que 63,6% já viveram algum caso de machismo em ambientes de trabalho. Análises como essas mostram que, quando não há espaço para discussão desses temas, os funcionários não recorrem a ninguém e, assim, é criada uma falsa percepção de que esse tipo de problema não ocorre em ambientes corporativos. Cabe às empresas cada vez mais empoderar seus funcionários e trazer esse espaço para não só aperfeiçoar o convívio entre todos, mas trazer uma potencialização de seus resultados,

Na era em que a maioria contesta que estamos nos relacionando cada vez menos por conta dos smartphones, penso o contrário: nunca nos posicionamos tanto! Muitos acreditam que nossa sociedade está se tornando cada vez mais politicamente correta. Eu penso que não, estamos evoluindo e também trazendo diversidade até na forma de nos relacionarmos.


Josiane Lima é Diretora de Recursos Humanos do GetNinjas, maior plataforma de contratação de serviços do Brasil. Atuou mais de oito anos na área de Recursos Humanos do Walmart.com, liderando áreas especialistas como Atração de Talentos, Treinamento, Desenvolvimento Organizacional e Comunicação Interna. Formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e pós-graduada no IESE em Program for Management em Navarra.