A Stefanini anunciou hoje que, junto da Caixa Econômica Federal, desenvolveu uma plataforma cognitiva para oferecer aos seus funcionários e prestadores de serviço mais agilidade e eficiência por meio da Aixa, ferramenta de Inteligência Artificial.

Segundo Marco Stefanini, fundador e CEO goblal da companhia, mais de 150 mil usuários serão beneficiados via portal de autoatendimento interno da CAIXA ou Skype for Business, resolvendo questões internas, consultas e centenas de outras transações.

A ferramenta é capaz de interagir com usuários humanos e sistemas por meio de um conjunto crescente de interfaces de texto. As interações passam a seguir fluxos de conversas simples e naturais, permitindo a busca de informações de maneira dinâmica nos sistemas da CAIXA, além de facilitar a abertura de tickets de atendimento (Requisições de Serviços e Incidentes). Tudo de forma integrada e intuitiva.

Para o diretor de Tecnologia da CAIXA, Naran Peçanha, “o atendimento automatizado com Inteligência Artificial não é só mais uma tendência, mas uma realidade em várias empresas. A Aixa redefinirá a maneira como a TI da Caixa se relaciona com seus usuários, sendo capaz de aprender de forma exponencial ao longo do tempo a partir de todos os dados internos de TI disponíveis. Com a Aixa, passamos a fazer parte do seleto grupo que utiliza esta tecnologia para melhorar a experiência dos usuários”.

Desde 2008, a Stefanini presta serviços de fábrica de software, sustentação. A partir de 2016, passou a atuar no Service Desk de TI para Caixa e já estuda ampliações para a Aixa. A estimativa é que a ferramenta de inteligência cognitiva se torne, pelo menos, dez vezes maior, tanto no volume de atendimento quanto de fluxo. O objetivo é adicionar e evoluir os processos de atendimento cognitivo ao sistema do banco.

O diretor de P&D da Stefanini afirma que o projeto da Caixa foi o maior modelo trabalhado nos últimos quatro anos, com um saldo muito positivo. “Não se trata apenas da tecnologia em si, que continua a evoluir, mas na criação de um processo, hoje muito maduro de avaliação, planejamento, entrega e suporte, que permite sairmos da reunião de kick off até o produto final em poucos meses, com uma equipe compacta, custos sob controle e resultados absolutamente satisfatórios em experiência do usuário e retorno sobre investimento”.

Alexandre Winetzki, diretor de P&D da Stefanini, esclarece que pode-se considerar que este é o maior projeto de atendimento cognitivo já realizado no Brasil pelo alto nível de complexidade e integração. “Passamos por uma revisão dos processos de atendimento dos serviços de tecnologia, estando esses muito consolidados no conhecimento das equipes de atendimento. Além disso, havia preocupações naturais com a segurança dos dados e com os mais variados tipos de credenciais de uso e conteúdos distintos para cada uma delas. Para garantir ainda mais eficiência no atendimento, estamos aprofundando desde a complexidade dos processos a serem automatizados até a melhoria continua das interfaces de comunicação e modelos de atendimento da Caixa”.

Segundo Marco Stefanini, as empresas tradicionais estão sendo afetadas diretamente pela quarta revolução industrial. “Companhias como a nossa precisam consolidar um novo modelo baseado no ecossistema de inovação para continuar se destacando globalmente. Os próximos dois anos serão decisivos para a transformação digital das corporações, por isso a Stefanini está investindo fortemente em ofertas que poderão auxiliar os nossos clientes nesta transição”, finaliza.