* Por Diego Carmona

Durante todos esses meus anos de contato frequente com empreendedores percebi que inúmeras vezes o branding é esquecido ou subestimado por boa parte deles.

Não é difícil observar a seguinte situação: Muito se investe em tecnologia e em anúncios, mas a gestão da marca, que é parte essencial  para todo o resto, acaba ficando de lado.

Por isso hoje vim aqui disposto a mostrar para vocês o que acontece com um negócio que faz o caminho inverso da maioria e investe em branding.

Preparado para descobrir? Então, vamos lá.

Antes de tudo, você sabe mesmo o que é branding?

Bem, antes de explicar melhor o que é branding, falarei um pouco mais sobre o conceito de marca aqui com vocês…

Uma marca é tudo aquilo que faz o seu negócio ou produto se diferenciar entre todos os outros do mercado. Então, apesar de o nome e o logotipo serem partes de uma marca, todos os outros elementos, tangíveis ou não, também são.  

Em outras palavras: O que faz a sua empresa ser única entre todas? A marca. Se o seu negócio fosse uma pessoa, a marca seria a personalidade, a identidade mesmo.  Portanto, há mesmo um cuidado para expressar essa identidade no logotipo, nas cores e na tipografia. Mas não acaba aí.

Aliás, engana-se quem pensa que a marca só diz respeito aos empreendedores. A marca começa com você, mas passa a ser a forma como o público vê o negócio. Walter Landor definiu isso muito bem: “Os produtos são criados nas fábricas, as marcas nas cabeças das pessoas.

O branding existe para dar aquela forcinha para que a sua marca seja construída positivamente na cabeça dos consumidores. Seu objetivo é aumentar e melhorar a imagem da marca.

Como? ‘Branding’ vem da palavra ‘brand’ em inglês, que significa ‘marca’. Não há uma tradução exata para a nossa língua, mas podemos dizer que o branding é um conjunto de ações para construção e gestão de uma marca.

Um bom trabalho de branding tem início desde a criação da marca e persiste em cada pequena ação do negócio. E tudo começa com perguntas como:

O que a sua marca faz? Quais são os valores, missão e objetivos dela? Qual segmento atua? Quem é a sua persona? Quem são seus concorrentes? Quais são brechas que eles deixaram?

Resumindo: Não se trata de deixar tudo mais bonito, como muitos pensam. Branding é uma estratégia complexa e trabalhosa para fazer com que no futuro a marca se torne um estilo de vida, uma filosofia.

Por que você acha que quando falamos isso logo pensamos em marcas como Coca-Cola, Apple, Microsoft e Google? É a ‘magia’ do branding.

1. Conquiste um espaço só seu no mercado

Acabamos de falar que a marca é a identidade de um negócio e o que o branding existe para reforçar esse diferencial. Logo, se o branding é trabalhado da maneira correta, a marca passa a ser única no mundo.

Quando o seu negócio tem voz definida, o público sente isso. É como se todos os valores daquele negócio pudessem finalmente ser transmitidos para as pessoas, de maneira consciente e também inconscientemente.

Hoje as coisas acontecem muito rápido e mesmo uma ideia extraordinária e original pode ser reproduzida facilmente. Com essa concorrência crescente, ter um diferencial claro é fundamental.

Quando uma marca conquista um espaço só dela no mercado, a credibilidade dela aumenta como consequência. Isso porque a imagem que ela passa para as pessoas é de confiança, autoridade e estabilidade.

Como o branding é a gestão de uma marca de modo a deixar a visão sobre ela mais positiva, esse ganho de reputação é somente uma consequência. E como você está cansado de saber: A empresa que inspira mais confiança para o público tem muito mais   chance de ser escolhido na hora da compra.

Não podemos esquecer que nós ainda estamos sendo impactados pela crise econômica e política de nosso país. O que significa que é um momento em que muitos negócios deixam questões como o branding de lado.

Então, pense com a gente: Se você fizer o contrário pode conquistar uma vantagem absurda em relação aos concorrentes.

2. Mais do que clientes, tenha admiradores

Quando o branding é levado a sério nós conseguimos transmitir ao público o que somos, a nossa identidade. E quando assumimos nossa voz no mundo, tudo se torna mais simples. Seja na hora de criar produtos para o público ou desenvolver conteúdo para ajudá-lo e atraí-lo.

Isso porque tudo que é produzido passa a ter a cara do negócio, como se os valores estivessem impressos em cada linha de um e-book ou fala de um vídeo. A comunicação flui de maneira honesta.

Quando temos essa comunicação honesta e transparente, as pessoas se sentem mais próximas e se identificam com o negócio. Não dá para querer fidelizar um público se não sabemos que nós somos, antes de tudo.

Essa identificação do público traz não apenas clientes, mas fortalece as chances de construção de laços com eles. A marca deixa de ter clientes e passa a ter admiradores e até mesmo fãs.

E, cá entre nós, que empresa não quer a fidelização dos clientes e ser reconhecida pelo que é? Com o branding isso se torna não só possível como natural.

3. Aumento do valor agregado

Se uma marca transmite confiança, tem clientes fidelizados e até admiradores, o valor agregado dela aumenta. E isso independente da qualidade dos produtos em si. Hoje a qualidade é um item de série, não mais diferencial e a escolha dos consumidores vai muito além disso.

Basta ver marcas que possuem muitos concorrentes que oferecem soluções semelhantes e até iguais, mas segue firme, se sobressaindo em relação às outras. Isso porque a marca conquistou o seu valor e as outras nem tanto.

Aposto que nessa hora muitas marcas veio a sua mente, né? Isso é branding.

4. Equipe alinhada

Não é só o público que percebe a voz única que uma marca tem no mundo, os colaboradores também. Isto é, o investimento em branding otimiza a comunicação entre todos os stakeholders do negócio.

Quando uma marca deixa claro quem ela é para os seus colaboradores e o que busca, todos sabem pelo que estão indo trabalhar todos os dias. Isso reflete na qualidade e dedicação da equipe. Pelo contrário, um negócio que não trabalha o seu branding adequadamente encontra dificuldades em unir os seus diferentes setores.

Além disso, com aumento da percepção positiva de um negócio e mais valor agregado, o número de profissionais que sentem vontade de fazer parte daquela marca também cresce. O que facilita para o RH encontrar profissionais mais capacitados e que correspondem aos valores da empresa.

Ah e com as parcerias, fornecedores e investidores ocorre o mesmo.

5. Mais resultados

Sintetizando tudo que falei acima: A boa gestão da marca faz com que ela atinja mais pessoas de forma positiva, facilitando a entrada de novos clientes e a fidelização dos mesmos. Assim, os resultados acabam sendo cada vez maiores e o sucesso passa a ser uma possibilidade.

Sem contar que uma marca bem posicionada afeta no Marketing do negócio. Isso porque a empresa sabe quem é e o que quer, ou seja, as ações de Marketing, a criação de conteúdo, tudo é feito por um motivo claro e a segmentação torna-se muito mais assertiva.

É claro que, no geral, esses resultados não aparecerão em alguns dias, tudo será resultado do trabalho de meses e anos de um bom branding.

Mas a melhor parte é que a mensagem principal e a essência da empresa são preservadas durante todo o processo. O branding, portanto, é algo a ser trabalhado durante toda a história de uma marca, nas pequenas ações do cotidiano.

É… Não é nada fácil, mas quem há de negar que vale a pena?


Diego CarmonaDiego Carmona é cofundador e CVO do leadlovers. Formando em Ciência da Computação, o empresário trouxe a visão do mercado de tecnologia para o segmento de marketing para criar uma plataforma inovadora para impulsionar vendas através da internet. O leadlovers é uma plataforma pioneira no país que oferece serviços completos em automação de marketing para startups, pequenas e médias empresas e produtores do mercado digital.