Uma nova geração de empreendedores de negócios de impacto social tem investido na criação de soluções inovadoras e acessíveis no setor de Energia destinadas à população de menor renda. Atemática é de suma importância para o Brasil. O acesso à energia de qualidade está diretamente relacionado ao atendimento às necessidades básicas e ao desenvolvimento social ligado à educação, saúde, crescimento econômico, segurança, oportunidades de trabalho e de renda. De áreas rurais às urbanas, a energia é essencial para o desenvolvimento da sociedade e melhoria da qualidade de vida.

Empresas como a GreenAnt e Solstar têm despontado como exemplos de inovação social. Ambas apostam na tecnologia como ferramenta para que o consumidor possa reduzir o consumo de energia e para democratizar o acesso à energia solar, oferecendo um custo mais baixo.

Selecionados pela Artemisia e Instituto AES para serem potencializados pelo programa Aceleradora, esses negócios se destacaram em um processo que analisou mais de 150 startups brasileiras que atuam dentro da temática. Em comum, as duas têm a conexão com a missão de garantir à população –em especial, a parcela de menor renda – o acesso à energia confiável, segura e sustentável. Na prática, elementos fundamentais para o aumento de prosperidade e geração de impacto em diferentes setores.

Nos próximos meses, GreenAnt e Solstar passarão por um processo de aceleração de curto prazo – cinco semanas – que tem como base a metodologia exclusiva da Artemisia, organização pioneira no fomento de negócios de impactosocial no Brasil. O programa é composto por dois workshops presenciais e webinares temáticos.

As empresas terão acesso a ferramentas inovadoras, conteúdos exclusivos, conexão com outros empreendedores do setor e mentorias com especialistas de negócio, impacto social e energia – que apoiarão a formatação do modelo de negócio e o refinamento do impacto social que as soluções têm potencial de gerar. Todo o programa foi elaborado para que os empreendedores possam ter maior clareza sobre os próximos passos de negócio, para que avancem no desenvolvimento de sua solução e estejam mais preparados para crescer e impactar positivamente a sociedade dentro do setor de atuação.

Eficiência energética e energia solar

Empresa de tecnologia que tem o objetivo de estimular a eficiência energética por meio do acesso à informação, a GreenAnt tem por base um algoritmo próprio, desenvolvido pelo empreendedor Pedro Bittencourt. A partir de um medidor inteligente, é possível identificar os aparelhos de maior consumo na residência e propor alternativas para redução de consumo.

O negócio de impacto social fluminense disponibiliza uma plataforma online para gestão e acompanhamento dos gastos em tempo real por eletroeletrônico – e envia recomendações direcionadas com foco na ação via SMS. A solução é aplicável tanto para residências quanto para empresas que busquem mais controle dos gastos energéticos. Além de Pedro Bittencourt, o negócio tem como sócios-fundadores Raphael Guimarães, Thiago Holzmeister, Vagner do Nascimento e Caio Mehlen.

Na análise do impacto social, a empresa empodera o usuário ao oferecer um instrumento de acesso à informação sobre seu consumo de energia. Com a plataforma, criada em 2014, o cliente diminui a possibilidade de “surpresas” no final do mês, uma vez que pode acompanhar os gastos de energia por eletrodoméstico, em tempo real. O negócio atua com a expansão da consciência do consumidor, à medida que traz o histórico de gastos por equipamento e ajuda a identificar aqueles que estão gastando muita energia, inclusive em razão de defeitos. Apoia a redução efetiva do consumo ao sinalizar se as metas pré-estabelecidas estão sendo ultrapassadas, o que ajuda também no monitoramento em tempo real e no direcionamento das ações necessárias.

Fundada por Fábio Carrara, a Solstar é um negócio que viabiliza geração de energia mais econômica e sustentável por meio de geração solar distribuída. Com o objetivo de diminuir as principais barreiras de adoção da energia solar, a startup desenvolve soluções que democratizam o acesso – garantindo a performance dos equipamentos instalados e viabilizando o investimento em projetos de energia solar em domicílios.

A solução, criada em 2016, assegura a energia que será produzida, cobrindo a defasagem, caso fique abaixo do esperado. A startup está desenvolvendo, ainda, uma plataforma de crédito peer to peer para concessão de crédito para investimento em geração solar.

Na análise do impacto social, um dos destaques da Solstar reside no acesso à energia econômica e sustentável, com possibilidade de empoderar os consumidores residenciais por meio do acesso a crédito para o investimento na autoprodução de energia. No cerne da atuação, possibilita o investimento de modo que o valor pago pelo cliente seja o mesmo valor que pagaria com a conta de energia mensal. A solução traz acesso à energia com menor risco de endividamento, sobretudo em regiões em que o serviço não é oferecido.

Parceria Artemisia e Instituto AES

Alinhado à estratégia de inovação adotada por um dos maiores grupos de energia do Brasil, o Instituto AES firmou uma parceria com a Artemisia, pioneira no país no fomento e apoio a negócios de impacto social. Essa aliança tem como objetivo elaborar uma Tese de Impacto Social em Energia – levantamento inédito a ser lançado em novembro, que reunirá os desafios enfrentados pela população de baixa renda no Brasil relacionados à energia e apontará as oportunidades para negócios de impacto social que enderecem esses desafios de forma escalável.

Por meio do apoio ao desenvolvimento da Tese, que está sendo conduzida pela Artemisia, o Instituto AES busca gerar conhecimento e indicar caminhos concretos sobre como os negócios de impacto social relacionados à energia poderão contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população de baixa renda no Brasil.

Com a Tese concluída, a proposta é disseminar a análise, a fim de estimular empreendedores, empresas, institutos/fundações empresariais e investidores, entre outros atores, a apostarem em negócios de impacto social com soluções inovadoras em energia. Na prática, o levantamento será um marco para apoiar o surgimento de novos negócios de impacto social na temática.

Segundo Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, a organização buscou empreendedores com genuína intenção de gerar impacto social positivo dentro do setor de energia, por meio de startups inovadoras, com produtos e serviços voltados às necessidades da baixa renda. “Buscamos soluções acessíveis, de baixo impacto ambiental, que visassem à eficiência energética, consumo consciente, geração distribuída e fontes alternativas de energia. Além disso, nosso olhar foi direcionado para empresas com alto potencial de gerar benefícios à qualidade de vida e melhorar os indicadores socioeconômicos locais. Os selecionados integram a turma de aceleração para um processo intensivo, no qual terão acesso à rede Artemisia e serão apoiados no refinamento de seus modelos de negócio e no impacto social de suas soluções”, afirma a executiva.

Com a parceria, o Instituto AES marca uma nova etapa do investimento social privado da AES Brasil, que traz a inovação social como tema transversal das iniciativas. “Escolhemos a Artemisia como parceira nesse momento por termos um forte alinhamento de estratégias e o compromisso de buscar soluções inovadoras de alto impacto social”, afirma Luiz Rielli. A parceria com a Artemisia se encaixa no pilar de Inovação para o Desenvolvimento Social, cuja proposta é focar em negócios de impacto social relacionados à energia.

A iniciativa está em alinhamento aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Energia, por ser um setor estruturante e transversal, tem potencial para contribuir com objetivos relacionados à saúde, educação, acesso à água e saneamento, segurança e cidades sustentáveis, além do objetivo direto – número 7: ‘energia limpa e acessível’.