* Por Adam Patterson

Neste artigo de Startup Finance 101, analisamos o atual ambiente de funding e valuations para startups fintech no Brasil, as Americas e no nível global.

Ao longo dos últimos anos, a Fintech tem sido o setor “it” nos ecossistemas globais de startups e capitais de risco. A jogada de investimento baseia-se na promessa de interrupção futura, impulso e potencial de elevação contínua de alta de saída. Globalmente, no ano passado, havia aproximadamente 836 investimentos somando um valor total de US $ 12,7 bilhões em financiamentos para startups de fintech por fundos venture capital (fonte: CB Insights).

Snapshot Global

Após três trimestres relativamente estagnados, o mercado de Fintech global se recuperou fortemente no segundo trimestre deste ano, com os investimentos mais que dobraram trimestre a trimestre para US $ 8,4 bilhões. Enquanto o número de deals fintech estavam abaixo do pico de 2015, os volumes permaneceram robustos.

No entanto, ao analisar os acordos com garantia de VC, o volume total de negócios estava no topo do pico do terceiro trimestre e 2017, portanto, está no ritmo para alcançar um novo alto em volumes de investimento.

O volume de negócios do VC no final do segundo trimestre de 2002 também estava no caminho certo para aproximar-se do total de mais de 1.000 negócios, apesar de um slide contínuo no volume de negócios de “angel e seed”, que se estendeu para o quinto trimestre consecutivo.

Além disso, as métricas financeiras importantes também continuam a ver a pressão ascendente. Ao longo dos últimos 10 meses, os múltiplos de avaliação de capital e de equivalência patrimonial (EV / EBITDA + 6% e P / E + 27%) continuam a subir, assim como as projeções de crescimento da receita e a rentabilidade.

De acordo com dados da KPMG, os valuations continuam a diminuir nas empresas later-stage. Mais uma vez, a avaliação mediana post-money durante o segundo trimestre de 2010, provavelmente como resultado da escassez de tais negócios em fase final no mercado fintech globalmente, além de uma normalização do sentimento dos investidores em relação a Investimento de VC. Enquanto isso, as saídas fintech aumentaram durante o Q2’17, com o número de saídas correspondentes ao segundo melhor trimestre experimentado até agora.

De acordo com a KPMG também, “após um mercado muito ativo em 2015, o número total de negócios caiu significativamente em 2016, de 685 para 555. Enquanto isso, a região de valor caiu mais de 50% em relação ao ano anterior, embora o investimento de US $ 13,5 bilhões em 2016 permaneça o segundo maior volume da década.

Fintech no Brasil

O Brasil é o maior mercado Fintech da América Latina, com mais de 200 startups divididos em 16 segmentos chave, em comparação com o México (158 startups), Colômbia (77 startups), Argentina (60 startups) e Chile (56 startups), de acordo com dados de 2016 da Finnovation. Os maiores setores são Pagamentos (31%) e Crédito (12%).

Na América Latina e no Brasil, a falta de serviços bancários, a alta demanda por crédito e as taxas de juros historicamente elevadas criaram um boom para empresários e investidores que buscam desenvolver líderes de mercado finitos. Assim, espera-se que o impacto da interrupção do fintech seja maior no Brasil do que em muitos outros países devido ao seu setor bancário altamente concentrado. Os consumidores brasileiros estão buscando melhores alternativas às taxas de cartão de crédito no Brasil que estão nos três dígitos. A indústria é uma das mais lucrativas do mundo, com retorno sobre o patrimônio superior às médias americanas e europeias.

Além disso, um relatório recente da Goldman Sachs (“Fintech Brazil’s Moment”) projeta que o fintech brasileiro deve gerar um potencial pool de receita de cerca de US $ 24 bilhões nos próximos 10 anos. Pagamentos, empréstimos e finanças pessoais são três segmentos promissores, assim como o seguro, o relatório destacado (fonte: NY Times). Os economistas de Goldman Sachs citaram o que eles chamaram de “uma estrutura de mercado oligopolista” no Brasil, onde os cinco principais bancos, excluindo bancos de desenvolvimento, detêm 84% do total de empréstimos. Nos bancos de varejo, os cinco principais bancos possuem 90% das agências. O Banco Central está desempenhando para aumentar a concorrência no setor e alterar seus regulamentos para simplificar o processo de aprovação de licença para bancos estrangeiros que desejam operar no Brasil.

O investimento venture capital em fintech no Brasil tem crescido nos últimos anos. Em 2016, o investimento fintech atingiu mais de 150 milhões de dólares em 2016, mais do que triplicar em relação ao ano anterior.

O Brasil foi o destino de 63% do investimento total da América Latina (fonte: Marsdd). De acordo com Isaias Sznifer, diretora-gerente da empresa de consultoria de boutique Greenhill & Company no Brasil, “esperamos muito mais no espaço para acontecer no futuro próximo”.


Adam linkedinAdam Patterson é economista britânico, graduado em Ciências Políticas e Estudos Parlamentares pela Universidade de Leeds e pós-graduado em Economia e investimentos pelas universidades de Londres e  o Instituto Real de Investimentos do Reino Unido. Trabalhou na equipe de valuation do HSBC e no parlamento britânico.  Adam é sócio-fundador da ALFA Valuation, empresa especializada no valuation e planejamento financeiro de startups. A ALFA foi idealizadora e criadora da ferramenta i-Valuation, o pioneiro portal online para o valuation de startups & PMEs no Brasil.