* Por Ana Fontes

Uma experiência incrível que começou com uma dica importante da super Cris Sampaulo, me contando que havia um programa de reconhecimento para iniciativas que apoiassem mulheres. O prazo já tinha encerrado, mas além de indicar ela nos conectou com os responsáveis para que houvesse tempo da nossa inscrição. Este é o início de uma caminhada muito interessante e cheia de aprendizados que tem muitos capítulos ainda pela frente.

Eu fui aluna de um programa absolutamente incrível que de verdade mudou os rumos da minha jornada empreendedora, o programa 10.000 mulheres (10.000 women) da Goldman Sachs e em São Paulo, coordenado pela FGV. Em 2010 despretensiosamente eu me inscrevi após receber um press release sobre o programa, eu tinha outro negócio (Elogieki) que foi vendido um tempo depois. Durante o processo seletivo vi inúmeras mulheres incríveis buscando ajuda e conhecimento, na época eu fui selecionada entre quase 1000 inscritas para uma turma de 35 mulheres, fiquei muito feliz, claro, mas ao mesmo tempo fiquei pensando nas outras que não passaram no programa e foi ai que tudo mudou, quando criei o embrião do que é hoje a Rede Mulher Empreendedora. Durante o programa, descobri muitas coisas sobre gestão de um pequeno negócio que na época não eram muito conhecidas e que hoje são super populares no mundo dos empreendedores. Mas o que isto tem a ver com o evento da Fortune? Pois é, foi por conta deste programa que fui selecionada este ano, com a dica, apoio e muita torcida da super Cris Sampaulo da Goldman Sachs a quem eu devo este apoio.

Inscrevi uma ideia para criação de um app que conecta empreendedoras (alumni do programa 10.000 mulheres) com outras empreendedoras que precisem de ajuda. Cerca de 15 dias depois, recebi um email (li domingo a noite) com a maravilhosa notícia que a RME e nosso projeto tinha sido um dos escolhidos para o prêmio de 2017, olhei, li e reli o email um milhão de vezes para ver se não estava vendo algo errado e, sim, era real (baixou a síndrome da impostora em mim, justo eu, que tanto falo para as mulheres não sentirem isto). Pois é, eu também tenho estas inseguranças que nos ensinam a vida inteira. E sim, nós ganhamos não só o reconhecimento, o dinheiro para desenvolver o projeto (a premiação de US$50 mil é dividida entre três vencedoras), mas também a oportunidade de participar deste evento maravilhoso e cheio de personalidades reconhecidas mundialmente.

Fique tão feliz, mas tão feliz, pelo trabalho de tantos tantos anos ser recompensado com este incrível reconhecimento. E lá fui eu participar da Conferência “Most Powerful Women” da Fortune.

E teve de tudo, aprendizado, muito networking, e claro muitas fotos, selfies, mas acima de tudo teve admiração por tantas mulheres estarem fazendo coisas incríveis neste mundo, onde pude ouvir , Mary Barra (CEO GM) , Ariana Huffington (Thrive e HP) , Indra Nooyi (CEO Pepsico) , Justin Trudeau e conheci a Jewel, uma cantora com uma história absolutamente maravilhosa de muita luta mas de muita superação e tantas mulheres incríveis (e estou na lista de speakers, quase morri ).

O que posso tirar desta experiência? Tantas coisas além do prêmio e do reconhecimento, tanto aprendizado, tantas conexões, mas o que me chamou atenção são estas pequenas e rápidas conclusões (ainda quero escrever muito sobre isto).

Diversidade não é um business plan, é absolutamente necessária, frase incrível em um painel de Mulheres Negras C Level.

Precisamos olhar o mundo dos negócios de uma forma mais humana, precisamos sim de mais diversidade, porque não podemos ignorar a importância social, econômica e da revolução feminina.

Justin Trudeau falou sobre a importância da diversidade, da humanidade e do quanto precisamos evoluir e sermos mais inclusivos, do quanto é importante olharmos para as crianças, principalmente as que tem menos oportunidade. Fiquei ainda mais apaixonada por ele (no bom sentido).

Em comum a boa parte dos palestrantes está a importância de sairmos do território da discussão para nos movermos para ação e da importância da participação de todos nesta mudança que certamente trará mais equidade e inclusão para este nosso mundo.


Ana-1-400x400Ana Fontes é Fundadora da Rede Mulher Empreendedora, Natheia Coworking , Virada Empreendedora e  Fórum Empreendedoras. Consultora do Projeto Itaú Mulher Empreendedora e também Professora de Ambiente Empreendedor do Programa 10 mil Mulheres da FGV e do Empreendedorismo em Ação do Insper.