A Nielsen espera fazer com que os números de audiência para os programas transmitidos por streaming sejam um pouco menos misteriosos. A empresa está anunciando um novo serviço, o Nielsen Subscription Video On Demand (SVOD), que mede de transmissão de serviços como Netflix de forma comparável à TV linear. Isso inclui relatórios de classificação, alcance, frequência e segmentação, disse a empresa.

Em outras palavras, o serviço não apenas rastreará o número de pessoas que assistem a um programa, mas também a composição do público – como as idades dos telespectadores, por exemplo. Também ajudará os produtores de conteúdo a rastrear o ciclo de vida completo de seus shows, desde a transmissão de TV, até a visualização deslocada por meio de DVRs e outras opções sob demanda para serviços de transmissão.

A nova oferta da Nielsen inicialmente só funciona com Netflix, mas espera adicionar Amazon Prime e Hulu em 2018.

A empresa já tem uma série de testadores interessados no serviço, incluindo NBCUniversal, Disney-ABC, A + E Networks, Lionsgate, Warner Bros. Television e outros.

É interessante notar a participação da NBCU aqui, uma vez que a empresa criticou a Nielsen no passado, dizendo que o seu serviço Total Content Ratings, que rastreia a visualização digital de programas de TV, não estava pronto para o horário nobre. Uma carta da presidente de publicidade e parcerias da NBCU, Linda Yaccarino, no ano passado, referiu-se aos dados da Nielsen, como “ruim”, “impreciso” e “enganador”.

Esta não é a primeira vez que a Nielsen visou o espaço de streaming. A empresa começou a medir este tipo de conteúdo em 2014 através de um serviço de ativação, mas esta nova opção irá aproveitar os dados característicos demográficos e domésticos do Nielsen TV Panel, explica a empresa.

No entanto, não abrangerá a visualização do dispositivo móvel que possa limitar a precisão dos dados.

A Nielsen também anunciou anteriormente a adição de Hulu e YouTube às suas classificações de TV, como parte de seus esforços para medir melhor o mercado de serviços de transmissão.

Fonte: TechCrunch