* Por Exame.com

A Via Varejo iniciou um processo de modernização de lojas das Casas Bahia e do Pontofrio. Os novos recursos high tech beneficiarão clientes e a própria empresa. “O objetivo é subir um novo degrau na questão da conectividade em nossas lojas”, diz o diretor de TI da Via Varejo Julio Duram.

Do lado do cliente, será possível usar internet de alta velocidade nas lojas. Isso poderá ser feito por meio do próprio smartphone ou durante testes de produtos. Pensando em comprar uma Smart TV? Será possível testar as funcionalidades do produto usando a rede da loja.

Para usufruir da conexão, porém, os usuários terão de fornecer dados pessoais à loja. Isso poderá ser feito individualmente ou por meio de uma conexão com rede social. Julio Duram explica que essa exigência é feita por conta de especificidades do Marco Civil da Internet.

Outro benefício ao consumidor será a possibilidade de obter mais informações antes da compra. Os terminais de uso por parte dos vendedores receberão um banho de tecnologia.

Em vez daquelas telas escuras e enigmáticas, o comprador poderá acompanhar uma versão mais amigável com o vendedor. Duram explica a EXAME que o visual desses terminais será mais parecido com páginas de comércio eletrônico na internet. Um dos benefícios, por exemplo, será a presença de imagens dos produtos.

Monitoramento

Ao mesmo tempo, o banho de tecnologia trará algo extremamente valioso no mundo atual: dados. A estrutura permitirá à Via Varejo confeccionar e estudar mapas de calor (que mostram por onde consumidores passaram) de suas lojas. “Informação analítica no mundo físico é algo muito valioso. A loja física poderá será comparada ao site no quesito informações”, explica Julio Duram.

Graças a tecnologias de rastreamento, como cookies, é fácil entender o caminho percorrido por um consumidor na internet. Isso permite que varejistas virtuais exponham os produtos corretos a cada consumidor, testem preços, entre outros usos da tecnologia.

Enquanto isso, o varejo físico, tradicionalmente, não consegue extrair informações tão valiosas do ponto de vista de inteligência. “Saberemos por onde o consumidor entrou, o que viu, por quais marcas se interessou, quanto tempo passou na loja, entre outras informações”, explica Duram.

Para isso, basta que o consumidor esteja com Wi-Fi do celular ligado. Não é preciso fazer login ou se conectar à internet usando seu smartphone. É importante lembrar que o usuário não pode ser identificado. A loja entende apenas qual foi sua movimentação.

O objetivo é disponibilizar as novas soluções em 250 lojas até o final deste ano.

* Por Vitor Caputo, para Exame.com