Aconteceu ontem a 6ª edição do Fórum Empreendedoras, evento realizado pela Rede Mulher Empreendedora para discutir a importância do protagonismo feminino no Brasil e no mundo.

O Fórum foi realizado no Maksoud Plaza, em São Paulo, e reuniu mais de 1500 pessoas em um dia cheio de palestras, painéis e networking. Na arena de mentorias, foram mais de 120 reuniões com 20 mentoras, de áreas como estratégia, gestão, marketing e mais. Na área de exposições, 40 empresas levaram para o evento suas soluções.

Área de Exposições

Nos espaços de Capacitação e do Facebook, foram centenas de participantes para acompanhar painéis e hands on sobre vendas, planejamento, inovação e ferramentas de redes sociais.

Ana Fontes, fundadora da RME, falou ao Startupi e fez um balanço sobre o evento. “Este ano nos focamos no empoderamento econômico da mulher, no quanto é importante que ela seja dona do próprio dinheiro, para que ela consiga independência financeira. É através dessa independência que a mulher pode se proteger de situações de violência, assédio ou outras questões onde a dependência financeira pode atrelar esta pessoa a situações de risco”, explica.

Embora este tenha sido o foco do evento, outros temas foram abordados, como inspiração, com palestras com Chieko Aoki – falando sobre encantamento do cliente –, Andrea Chamma – com uma palestra sobre autoconfiança para liderar e inspirar -, e Rachel Maia – contando sua trajetória empreendedora.

Palco principal, onde mais de 1500 participantes acompanharam as palestras

Andrea Weichert, mentora do evento e sócia da Ernst & Young, disse que a qualidade das empresas das empreendedoras presentes nesta edição do Fórum impressionou. “Acredito que estas mentorias podem trazer lições valiosas para todas estas empreendedoras. E há um lugar especial no inferno para mulheres que não se ajudam mutuamente”, disse Andrea, citando a ex-secretária de estado norte-americana Madeleine Albright.

Durante o evento, a RME apresentou uma prévia da segunda edição da pesquisa “Quem São Elas?”, que mapeia o perfil das Empreendedoras brasileiras de diversos segmentos. O estudo, de abrangência nacional, consultou por volta de 800 mulheres. Alguns números se destacam na pesquisa. “80% delas têm uma boa formação acadêmica e 75% decidem empreender depois da maternidade”, explica Ana Fontes, que apresentou os dados. “Não é de hoje que se tornar mãe é o maior gatilho para que as mulheres brasileiras abram seus negócios”, diz.

Arena de mentorias

A maioria dos negócios pesquisados tem menos de três anos, o que significa que as mulheres estão empreendendo ainda mais. Os maridos, na grande maioria das vezes, são os sócios destas empreendedoras. Os negócios no segmento de serviços ainda são os mais comuns para elas, com 58% das respostas. “É um caminho natural, porque geralmente começa-se a empreender com pouco ou nenhum dinheiro”, diz Ana.

Quanto à informalidade, a falta de dinheiro ainda é o principal motivo. Um ponto de atenção é que, entre as empreendedoras, uma grande parte delas é quem gera o sustento da família. “Por isso é fundamental auxiliar estas mulheres a formalizarem seus negócios, porque elas querem isso. 78% das entrevistadas disse que pretende formalizar seu negócio no próximo ano. 64% citam a falta de dinheiro na hora de formalizar e 61% delas faria um empréstimo para isso”, relata Ana.

O estudo relata ainda sobre a situação detalhada das MEIs, o otimismo das empreendedoras para o próximo ano, ambientes corporativos hostis e dificuldade de acesso a crédito para as mulheres nesta área. A pesquisa será divulgada na íntegra em algumas semanas. Para saber sobre a primeira edição do estudo, acesse aqui.

Ana Fontes, apresentando para a plateia lotada uma prévia da pesquisa

Um dos destaques do dia foi a palestra da argentina Paola Carosella, uma das maiores chefs do País, empreendedora de sucesso e jurada do reality show MasterChef, apresentado pela rede Bandeirantes. A chef falou sobre a situação em que o País se encontra atualmente. “Hoje eu acordei de mal humor, não gosto das notícias que tenho lido ultimamente”, diz.

Mesmo em momentos de crise, seja ela nacional ou pessoal, Paola destacou a necessidade de se autoincentivar diariamente. “Eu sempre me cobrei demais. Mas eu descobri que se formos nos comparar a alguém na vida, devemos fazer isso sempre com muito cuidado e muito carinho. Temos que ter um olhar mais amoroso com nós mesmos, porque é esta energia que nós passamos para os outros”, conclui.

A MasterChef Paola Carosella

Para o ano que vem, a expectativa é que o evento aumente o tamanho e passe a ser realizado em dois dias. Todas as palestras da 6ª edição do Fórum Empreendedoras foram exibidas via streaming, por este link.