Transformar a concessão de crédito para micro e pequenas empresas em algo mais desburocratizado e eficiente. Esse é o principal propósito da BizCapital, empresa que começou a operar em janeiro deste ano para aumentar o acesso a empréstimos para esse público. O grande diferencial da startup é tornar os empréstimos mais acessíveis e atender empresas que estão fora do radar dos grandes bancos.

A fintech, criada pelos empreendedores Cristiano Rocha, Daniel Orlean e Francisco Ferreira, foi investida pela Monashees Capital, especializada em empresas de internet em fase embrionária, e já apresenta números animadores. Em seis meses de atuação no mercado financeiro, a plataforma já recebeu mais de quatro mil solicitações de crédito de todo o país, superando a ordem de R$ 140 milhões em pedidos.

O sistema utilizado pela BizCapital conta com uma máquina de avaliação, desenvolvida em parceria com a área de Inteligência Artificial da PUC-Rio, que é capaz de analisar e ranquear cada pedido em poucos segundos, graças à integração com mais de mil fontes de variáveis possíveis e disponíveis online.

Uma vez aprovado o crédito, todo o processo segue de forma digital, online ou por telefone, para atender aos requisitos do Banco Central e da legislação bancária, sem custos cartoriais, papéis ou muitos outros entraves encontrados em processos tradicionais.

“O mercado de crédito corporativo no Brasil, em especial para as pequenas empresas, é um terreno que demanda aprimoramento e ainda tem espaço para muita inovação. Da captura da necessidade de crédito ao fechamento do negócio, passando pela simulação do pedido e pela avaliação do risco, nosso objetivo é tornar o processo ágil, sem fricções desnecessárias para os micro e pequenos empresários”, afirma Daniel Orlean, CMO da BizCapital.

Com o uso de tecnologia de ponta e computação cognitiva, além de diversas combinações de variáveis que nos ajudam a refinar o score de uma empresa, a BizCapital não considera somente o histórico de pagamentos e a análise financeira das empresas. “Com a combinação de tecnologia e de outras ferramentas, temos um maior controle da rentabilidade, das taxas praticadas, da inadimplência e um maior valor de retorno aos investidores”, finaliza Orlean.