O ano era 2015. O local era o Vale do Silício,  a grande concentração global de startups. A Marca em Casa, startup que promovia ações de sampling com mais assertividade, foi o projeto apresentado. Não foi à frente. Porém, vocação para inovação não se perde fácil, ainda mais quando essa está aliada à persistência feminina. Após bater na trave, Tatiana Rihan, 29, enfim, fez o gol.

O plano inicial foi remodelado, e o resultado foi a união do Marketing com o Big Data: a Udeet gera soluções para empresas entenderem e buscarem satisfação de seus públicos a partir das informações obtidas. A ideia rendeu a seleção para o The S Factory, aceleração que chega à sexta edição no Chile recebendo mulheres de outros países da América Latina.

Um dos softwares da Udeet é o Travl Joint, que ajuda agências de turismo e captar as especificações dos viajante, e gera insights para a elaboração de pacotes turísticos personalizados, além outros benefícios para os clientes. A plataforma, que usa também inteligência artificial, será lançada durante o The S Factory, onde Rihan pretende aproveitar a oportunidade para fazer networking com multinacionais do segmento de viagens.

“Queremos ser globais. Nossa primeira meta atender agências de turismo da América Latina, e estar no Chile agora será o primeiro passo para concretizar esse planejamento. Quero sair de lá com clientes e parceiros.”, disse Tatiana Rihan.

A aceleração renderá às startups selecionados cerca de 48 mil reais, valor servirá para o custeio da estadia em Santiago e desenvolvimento do negócio. Foram selecionadas mulheres do mundo todo que têm participação nos projetos selecionados.  O programa terá duração de quatro meses. “Tudo lá será muito bom. O networking, mentorias, aulas.”, completou Tatiana.