* Por Dagoberto Hajjar

O nome da ministra Cármen Lúcia cai na lama como uma bomba atômica e o dia 5 de Setembro de 2017 será lembrado como o dia “D”. Foram uma série de bombas menores e previsíveis e uma bomba de alcance catastrófico. E o que isto representará para o mercado de TI?

Acharam R$ 51 milhões em espécie dentro de malas e caixas (foto em destaque, tirada pela polícia federal). É bom saber que estão recuperando alguma coisa, mas ainda vão achar muitas e muitas malas. Foi muito dinheiro roubado e não é fácil tirar tanto dinheiro deste país. O Sérgio Cabral fez 24 viagens internacionais para levar dinheiro e joias, e ainda sobrou muita coisa aqui. Este dinheiro saiu da Caixa e ainda vai aparecer o dinheiro que saiu do Banco do Brasil e do BNDES.

O quadrilhão do PT é, finalmente, denunciado. São os nomes que a gente já conhecia. Quem sabe, um dia, tenhamos um monumento com os rostos do Sarney, Collor, Lula e Dilma, nos lembrando da “época negra”, em contra-ponto ao monte Rushmore. Joesley Batista, Marcelo Odebrecht e Funaro, expuseram mais uma lista de corruptos que se somam aos mais de 22 mil envolvidos na Lava-Jato. É mais do que a população de muita cidade brasileira.

Ouvir que Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski estão envolvidos também não é novidade, e acho que ainda vamos ouvir falar muito destes dois. Agora, ouvir sobre um possível envolvimento da ministra Cármen Lúcia abre uma grande questão sobre a integridade do Supremo Tribunal Federal, e o pior é a sinalização de “liberou geral” que será enviada para os juízes de todas as instâncias. O país não sobreviverá tendo um judiciário corrupto.

Bom, mas o que me cabe aqui é analisar este cenário do ponto de vista de impacto para o mercado de TI.

O mercado de TI cresceu 7% no primeiro semestre de 2017, comparado com o mesmo período do ano passado. As expectativas eram de crescimento de 9 a 10% para o final do ano. Mais da metade das empresas de TI estavam projetando aumento do quadro de colaboradores e investimentos em marketing e vendas, sinalizando boas apostas para o final deste ano e de 2018.

Ontem conversei com muitos empresários de TI. A maioria tirou a semana de férias aproveitando o feriado e aproveitando que a situação estava “tranquila”, “sob controle”, e “crescendo”.

Acredito, agora, numa mudança deste cenário para o mercado de TI.

Os empresários de TI mudam, com muita rapidez e facilidade, suas expectativas com relação ao mercado. Acredito que já em Setembro, muitos empresários de TI reduzirão os investimentos em contratação, marketing e vendas.

Acredito que ainda teremos um terceiro trimestre forte em vendas, porque tem muita coisa em andamento e “pisar no freio” não tem efeito imediato. Mas acredito que teremos um quarto trimestre DESASTROSO. Minha aposta é que fecharemos o ano com 7% de crescimento, portanto, o que crescermos no terceiro trimestre, vamos reduzir no quarto.

Tenho duas recomendações a fazer. Primeira, acredite no seu plano e execute com disciplina. Esta bagunça na política e no judiciário terão impacto psicológico nos empresários, mas por enquanto não terão impacto na economia. Segunda, seu cliente vai se assustar e pisar no freio, usando tudo isto como desculpa para não decidir e não comprar. Monte uma estratégia de marketing e de argumentação de vendas mostrando que esta não é a melhor opção para ele. Use a metodologia para fazer isto, e venda!!!

A crise interessa para muita gente porque faz com que o dinheiro mude de mãos. Sem crise o dinheiro não muda e fica tudo igual.


Foto_Dagoberto_150x150Dagoberto Hajjar trabalhou 10 anos no Citibank em diversas funções de tecnologia e de negócios, 2 anos no Banco ABN-AMRO, e 9 anos na Microsoft exercendo, entre outros, as atividades de Diretor de Internet, Diretor de Marketing e Diretor de Estratégia. Atualmente é sócio fundador da ADVANCE – empresa de planejamento e ações para empresas que querem crescer.