* Por Adauto Leite Neto

A Black Friday se tornou, em pouco tempo, uma das datas mais importantes para o e-commerce brasileiro. Em sua última edição, a data gerou um faturamento de R$ 1,9 bilhão. Foram mais de 763 mil pedidos realizados nas lojas online, número 23% maior que em 2015, segundo o e-bit. Caso essa média de crescimento seja mantida este ano, a Black Friday poderá ter mais de 938 mil vendas realizados em apenas um final de semana.

Apesar de tanto sucesso, não podemos deixar de nos perguntar se as plataformas de e-commerce no Brasil estão, realmente, preparadas para atender a essa demanda. É preciso considerar que, assim como há milhares de pessoas que conseguem encontrar produtos em promoção e realizar diversas compras durante a Black Friday, também há muitos consumidores insatisfeitos por não conseguirem acessar o site que ficou fora do ar, lentidão no processo de compra, problemas na atualização de estoque, entre outros conflitos do sistema. Quem acompanha a Black Friday anualmente há de concordar que essas falhas costumam acontecer com certa frequência, não é verdade?

Por isso, além de se preocupar com os descontos que serão oferecidos, é importante que, nos meses em que antecedem a Black Friday, as empresas se atentem também à infraestrutura do site como um todo, para que a plataforma suporte a demanda com a velocidade e a segurança necessária.

Confira algumas medidas essenciais para preparar o seu site, para que possa suportar um tráfego mais intenso na Black Friday:

  1. Aumente a velocidade

Umas das principais ações a serem tomadas para melhorar a performance de navegação no site é adotar uma ferramenta de cache. Ela permite armazenar os conteúdos que não mudam o tempo todo, sem que haja necessidade de requisitá-los diretamente ao banco de dados a cada novo acesso recebido, fator que contribui para a lentidão dos sites. Ferramentas como a Varnish ou, se você usa uma plataforma WordPress, o plugin W3 Total Cache podem ser boas soluções para armazenar o cache e entregar os dados mais rápido para os usuários.

Contratar serviços de CDN (Content Delivery Network), como Akamai e AWS Cloudfront, também é uma opção para aumentar a velocidade com que o site é exibido, pois esses “servidores” se encarregam de distribuir o conteúdo por diversas cidades do mundo e, quanto mais próximos estiverem dos usuários, mais rápido eles poderão acessá-lo.

  1. Invista na capacidade dos servidores

Quando muitas pessoas acessam o site ao mesmo tempo, mais lento ele tende a ficar, pois os servidores passam a utilizar o máximo da sua capacidade até que não sobre recursos para processar mais nada. É quando os e-commerces “caem”, por não conseguirem ultrapassar a capacidade de processamento que já chegou ao máximo. A solução é aumentar o hardware dos servidores. Se forem alocados internamente (dentro da empresa), isso pode ser feito adquirindo mais memória e processadores mais avançados ou computadores mais potentes. Mas, se os servidores estiverem na nuvem, é possível “alugar” máquinas com mais capacidade de desempenho o que, na maioria das vezes, é a opção mais viável, considerando o menor custo para as empresas.

  1. Escale horizontalmente

A escala horizontal acontece quando o conteúdo do site é distribuído ou reproduzido em múltiplos servidores. Dessa forma, é possível direcionar os usuários para locais diferentes quando um servidor já estiver operando com alta capacidade. O grande desafio dessa solução é o tempo de desenvolvimento, por se tratar de um processo complexo que requer conhecimento de profissionais capacitados, além do alto custo.

  1. Lembre-se da segurança

Na ânsia de preparar a estrutura do site para receber os usuários, é comum esquecer-se de verificar a segurança e, infelizmente, a Black Friday também abre oportunidades sem precedentes para ataque de hackers ao sistema. Portanto, é fundamental manter o site seguro, isto é, checar os controles de acesso, verificar se há portas abertas no sistema ou se há computadores em redes públicas e não privadas como deveriam estar. A verificação de segurança deve ser feita sempre!

  1. Faça reservas

A Black Friday é uma oportunidade única no e-commerce. Portanto, para reduzir os riscos, o recomendável é ter reservas de tudo aquilo que irá precisar. No Cuponomia, acabamos aprendendo na prática que essa regra é inviolável, quando a Black Friday se aproxima contratamos equipamentos em dobro, servidores reservas em outros países, provedores de internet com formas de conexão diferentes (via cabo e fibra), para que possamos estar prevenidos em  qualquer eventualidade. Faça uma análise de tudo que o seu site irá precisar no evento e tenha sempre um plano B.

  1. Monitore

Mesmo depois de tudo preparado, durante a Black Friday é importante que a equipe de técnicos e desenvolvedores continue monitorando o tráfego do site, com o objetivo de checar constantemente a capacidade de memória e a CPU dos servidores, se há apresentação de erros ou falhas no processo e, se for o caso, corrigi-las o mais rápido possível.


Adauto Leite Neto é Development Leader e co-fundador do Cuponomia, plataforma que reúne cupons de desconto para compras no e-commerce. Formado em Análises de Sistemas, Adauto também atuou como Senior Software Analyst na NetMovies e IT Architect no grupo GPA.