No mês passado anunciamos a compra de uma parte minoritária da fintech de investimentos online, Órama DTVM, pelo grupo Globo. Aproveitamos para conversar com Habib Nascif, CEO do negócio, para saber detalhes do funcionamento do negócio e sobre a transação que chamou a atenção de todos.

A Órama foi criada em 2011 por sócios-fundadores que têm larga experiência no mercado, Selmo Nissenbaum (charmain), Habib Nascif (CEO) e Roberto Campos Rocha (diretor). Desde o começo a ideia era inovar e aliar tecnologia à eficiência, e dessa combinação surgiu a primeira plataforma digital de investimento do Brasil. A empresa oferece aos investidores – de baixo, médio e alto poder aquisitivo – acesso a selecionados fundos dos mais renomados gestores do Brasil. Outra proposta original foi fazer o investidor tomar suas próprias decisões, baseado em informações confiáveis e educação financeira.

Solução

Na Órama, a aplicação nos fundos é possível de duas formas. Uma delas é quando o investidor escolhe os “fundos espelho”, criados com o objetivo de investir em um único fundo gerido por outra instituição, chamado de “fundo alvo”. Neste caso, é viabilizada a aplicação inicial a partir de R$1 mil em produtos selecionados que, normalmente, exigiriam um valor de investimento elevado de R$200 mil, por exemplo. A outra forma do cliente Órama investir em fundos, é colocando os recursos diretamente em um dos “fundos alvo”.

Ao longo do tempo, eles passaram a oferecer também títulos de renda fixa para atender às necessidades dos clientes, buscando altas taxas, certificação da Cetip e garantia do FGC. A plataforma conta com LCIs, LCAs, CDBs e LCs – todos com taxa zero, ou seja, sem custos para o investidor. “Estamos em permanente expansão do nosso portfólio, sempre de acordo com a demanda e o cenário”, destaca o CEO.

No caso dos fundos de investimento, o cliente tem acesso ao currículo do gestor e assiste a vídeos em que ele comenta o desempenho das aplicações. A plataforma disponibiliza também vídeos (com o canal no YouTube), artigos, consultoria e e-books gratuitamente. O objetivo é que o cliente tenha acesso ao máximo de informações e clareza para escolher o produto certo, adequado a seu perfil.

Em 2016, em linha com a democratização do acesso aos investimentos, Habib enxergou no B2B uma oportunidade de – em estreita parceria com consultores, gestores e agentes autônomos – propagar suas facilidades com atuação de qualidade em larga escala.

Fruto de um robusto investimento, eles implementaram um projeto para o B2B que garantiu um grande diferencial para o negócio. Ao se associar, o parceiro tem ao seu dispor toda a infraestrutura operacional, tecnológica e de marketing da Órama. São oferecidos plataforma e aplicativo, e cada parceiro monta sua estratégia, criando seu próprio espaço, customizando e fortalecendo sua imagem. Ele pode exibir do seu jeito – em um site personalizado, com sua marca, suas cores e sua linguagem – os produtos e as ferramentas que desejar, de acordo com o perfil dos clientes.

Segurança para o cliente é outro pilar importante para o negócio. A empresa é autorizada pelo Banco Central. Além disso, seus produtos são regulados pela CVM e supervisionados pela Anbima – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Essa segurança é respaldada por uma equipe qualificada do mercado financeiro.

Desafios

“O maior desafio foi começar algo novo, que ninguém ainda tinha testado. Tínhamos confiança no produto, só precisávamos transmitir essa confiança aos clientes. Buscar o jeito certo de atender ao público. A nossa fórmula para superar os desafios é justamente buscar novos caminhos. Estamos em permanente transformação, customizando nossa tecnologia, tentando aproximá-la cada vez mais das expectativas e necessidades de nossos clientes”, destaca Habib.

Com sede na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro, a Órama reuniu uma equipe competente e buscou suporte de primeira linha para trabalhar a plataforma. “Nossa perspectiva sempre foi a de facilitar a vida do cliente, descomplicar e democratizar o acesso aos investimentos. Desde o começo, a intenção era criar uma plataforma que conseguisse oferecer todas as respostas a diferentes públicos, desde os mais envolvidos com o universo digital até aqueles mais resistentes à tecnologia. Hoje, conseguimos atender a diferentes perfis e necessidades em todo país”.

O mercado financeiro exige uma dinâmica especial de trabalho. Num piscar de olhos, as coisas mudam e há também uma competitividade forte, que ficou ainda mais acirrada com o surgimento de outras fintechs. A Órama é uma distribuidora online de investimentos, com características que a tornam única no mercado. Ela chegou a ser premiada pela Amazon Web Services como uma das empresas mais inovadoras em serviços financeiros em 2012.

O boom das fintechs

2016 foi considerado o ano delas, startups que usam a tecnologia para transformar os serviços financeiros mais eficientes e ainda hoje, continuamos notando cada vez mais a aproximação das grandes instituições financeiras com esse mercado. É nítido que elas abriram os olhos e estão levando em conta a experiência do cliente ao se relacionar ou utilizar os serviços das instituições, e com a oferta de soluções diferenciadas que requerem método, disciplina e boa execução.

“As fintechs chegaram para ficar e as grandes instituições perceberam isso. O movimento de migração de clientes dos bancos para os distribuidores independentes apenas está começando no Brasil. Ainda há muita coisa para acontecer. A disputa, agora, é pelo cliente do grande varejo, aquele que está fora do perfil de alta renda”, comenta Habib.

E se você pensa que são apenas as grandes empresas que não podem se  acomodar estão enganados, as fintechs também precisam estar em constante evolução. “Procuramos estar sempre um passo à frente. Para nós, o importante é que o consumidor saia ganhando. Ensinamos o cliente a investir e a tomar suas próprias decisões. Então, ele saberá fazer a melhor opção”.

Compra pelo Grupo Globo

Em Julho foi anunciado que o Grupo Globo comprou uma parte minoritária da Órama, os valores não foram revelados. De acordo com especialistas do segmento, a entrada da família Marinho no setor das startups financeiras se deve mais a um investimento pessoal do que estratégia corporativa. O grupo, entretanto, já esteve presente no segmento financeiro por meio do banco Roma, vendido para o Arab Banking Corporation nos anos 1990.

“A parceria com a Órama se revela uma excelente oportunidade em finanças online, um setor dinâmico, que experimenta altas taxas de crescimento no cenário brasileiro e mundial”, explicou o grupo Globo em comunicado.

Habib conta que o Grupo Globo tem uma participação minoritária na Órama, que continua com gestão independente e ampla solidez. Segundo ele, o investimento gera sinergia e acrescenta valor ao negócio. “A sociedade com o Grupo Globo reforça a estratégia de democratização do acesso a investimentos para todos os brasileiros, missão abraçada pela empresa desde sua fundação. Mantemos, porém, intactos os nossos pilares e a independência. A gestão da empresa continua nas mãos dos profissionais experientes. E os clientes sabem que continuarão contando com serviços ágeis e de qualidade”.

Órama significa visão em grego e Habib deixou claro que eles possuem um objetivo claro de onde querem chegar e a mudança que desejam para o mercado de investimentos. Para o segundo semestre, eles esperam crescer de forma consistente, robusta, sem perder a qualidade do que faz. Parte do plano inclui ampliar o B2B, oferecer novos serviços, produtos e facilidades aos clientes que segundo o CEO, são sempre prioridades.