Você tem costume de, algumas vezes ao mês, enfrentar feiras para abastecer a cozinha de legumes, frutas e verduras frescas? A grande maioria dos brasileiros têm.

De acordo com um levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), os brasileiros estão consumindo mais hortifruti. A demanda por frutas, verduras e legumes movimentou R$ 30,8 bilhões apenas em 2016. Este valor representa cerca de 9% de todos os gastos dos brasileiros no supermercado no último ano. Ainda de acordo com a pesquisa, 27,7 milhões de consumidores por dia frequentam supermercados no Brasil.

O Brasil assinou este ano um compromisso formal com três metas específicas para a Década de Ação em Nutrição da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo o Ministério da Saúde, o objetivo de reduzir a obesidade e melhorar os hábitos alimentares dos brasileiros.

A primeira meta é deter o crescimento da obesidade na população adulta por meio de políticas de saúde e segurança alimentar e nutricional. Atualmente, essa taxa está em 20,8%. O segundo compromisso é reduzir o consumo regular de refrigerante e suco artificial em, pelo menos, 30% na população adulta. Na terceira meta, o país se compromete a ampliar o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente em, no mínimo, 17,8%.

Pensando em levar mais comodidade a estes consumidores, que estão mudando seus hábitos alimentares, a startup Pede Sabores nasceu, em maio deste ano, com o intuito de ser uma espécie de feira virtual, levando praticidade e ingredientes selecionados para os consumidores, à distância de alguns cliques.

Nascimento

Os sócios Arthur Tupinambá, Aryel Tupinambá, Juliano Pontes e Mauricio Costa são todos empreendedores de carteirinha com muitas empreitadas no currículo e também experiências em multinacionais.

O publicitário Maurício Costa, que já trabalhou como executivo na Apple, WPP e Publicis, se uniu com Juliano Pontes, executivo do segmento de tecnologia e marketing digital com grandes clientes no currículo, como B2W, VIVO e Casas Bahia e os irmãos Arthur ​Tupinambá ​e Aryel Tupinambá​ (​sócios e ​​Diretor executivo e de tecnologia respectivamente, da LQDI, agência com foco em tecnologia e performance​) , para juntos criarem o e-commerce de frutas, legumes e verduras, Pede Sabores.

Sócios da startup Pede Sabores

“A diversidade é sempre fantástica. Na Pede Sabores temos muita diversidade em formação: Publicitário, Economista, Administrador de Empresas, Processamento de dados e Marketing. Temos também horas de voo em Comunicação, Marketing, Processamento de Dados, Administração, Contabilidade, Gestão, BI, Consultoria, M&A etc”, diz Mauricio, falando sobre as diferentes formações dos sócios. Para ele, isto traz para a empresa uma grande vantagem competitiva, uma vez que dentro da equipe há profissionais capacitados em todas as áreas fundamentais para a saúde de uma startup.

O objetivo do e-commerce, segundo Mauricio, é disponibilizar e comunicar o comércio eletrônico de alimentos, inicialmente hortifrutigranjeiros, orgânicos e “empório”. De acordo com Mauricio, o público da empresa hoje é formado, em sua maioria, por homens e mulheres de 28 a 55 anos, das classes A e B, residentes na cidade de São Paulo.

Crescimento

Por enquanto, a startup realiza entregas apenas na cidade de São Paulo, mas os planos de expansão já estão se realizando. “Em algumas semanas estaremos em Aldeia da Serra, Alphaville, Granja Vianna e Guarulhos. Graças ao nosso modelo de operação, em 2018 ampliaremos a entrega para seis outras capitais”, explica o fundador.

Nestes quase três meses de operação, a startup já comercializou mais de 1.000 embalagens/Kits da Pede Sabores. “O faturamento cresce em progressão geométrica e a expectativa de faturamento para o próximo ano supera os R$20 milhões”, diz Mauricio. No site, os clientes podem encontrar kits que vão desde o “Kit Fit”, que contém ingredientes para manter uma dieta até o “Kit Caipirinha”, em que o consumidor receberá tudo para fazer até 32 copos de caipirinha dos mais diversos sabores. Todos os kits são personalizáveis.

Mauricio diz que o kit mais comercializado hoje é o “Kit do seu jeito” onde cada usuário escolhe o que quer. “Neste mês implementamos o mix de produtos adicionando 80 novos produtos como castanhas, cereais, frutas secas, produtos orgânicos e temperos. Em breve teremos muitos outros produtos de qualidade e com eles novos Kits.”

Mercado

Desde o início do projeto, a Pede sabores contou apenas com capital próprio dos sócios. “Já avaliamos oportunidade de aporte aderentes. Vislumbramos como um processo natural e necessário para consolidar mercado”, diz Mauricio. O fundador explica que a tecnologia que a empresa usa para desenvolver os kits temáticos e conhecer a necessidade dos clientes é 100% baseada em dados. “Utilizamos dados para planejar e comprar mídia, para determinar as necessidades dos usuários, para segmentar a audiência, para desenvolver Kits, novos produtos, serviços, conteúdos e comunicação”, explica.

Ele diz também que a conveniência da compra online, como qualquer outro produto ou serviço, é o que atrai os consumidores da plataforma. “Mais de 70% dos nossos usuários acessam a Pede Sabores via mobile e levam em média menos de 2 minutos para comprar. O tempo é um diferencial muito importante frente a concorrência digital e ainda mais importante quando comparamos com lojas físicas. A qualidade dos produtos e experiência de compra (embalagem, comunicação, entrega) são também vitais. Outro diferencial é que o usuário pode entrar no site da Pede Sabores de manhã e comprar, por exemplo, verduras para entregar no mesmo dia no período da tarde. E, provavelmente, a verdura será colhida no mesmo dia da entrega. Tudo muito fresco”, conta o fundador.

Quanto ao cenário de startups do setor alimentício no Brasil, Mauricio diz que vê o mercado como promissor. “Cada um dos 210 milhões de brasileiros consomem em média 2,25 toneladas de frutas, verduras e legumes ao longo da vida e gastam, em média, 6,2% da renda com a aquisição destes produtos. Consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos frescos, orgânicos, funcionais e livre de certas substâncias e esperam que a indústria os ajude a modificar hábitos”, diz.

Para os empreendedores que estão entrando neste mercado, Mauricio dá a dica: “o maior desafio (do empreendedor) é acertar e/ou errar rápido, aprender rápido, corrigir rápido e crescer rápido. Startup tem pressa. Trabalhamos 18 horas por dia em velocidade frenética motivando parceiros e fornecedores, minimizando recursos”, completa.