O Banco Neon,  instituição bancária 100% digital está comemorando seu primeiro ano de atividades. E, de julho do ano passado para cá, a fintech cresceu de forma exponencial. O antigo Contro.ly, fundado por Pedro Conrade, começou as operações com oito colaboradores e hoje, conta com 130 pessoas na operação do banco, cuidando de mais de 180 mil clientes.

Com uma trajetória já marcada por inovações, o Neon foi um dos primeiros brasileiros a utilizar autenticação biométrica para transações dentro do app. Também foi uma das primeiras instituições da América Latina a realizar transferências bancárias por meio da Siri, assistente virtual da Apple. Em parceria com a Visa, o banco anunciou recentemente também a possibilidade de autenticação de compras online via selfie.

“Nas compras com cartão físico, nós temos o chip com a senha numérica, o que autentica a compra automaticamente. Para as compras online, nós criamos esta solução para dar mais segurança para o lojista e para o cliente, além de ser uma opção 100% digital”, disse Fernando Teles, country Manager da Visa, durante o lançamento da novidade.

Outro diferencial da fintech foi a criação de um cartão de crédito virtual. Ele possibilita que os usuários utilizem serviços que solicitam o cadastro de um cartão de crédito, porém o valor é debitado automaticamente da conta bancária. Assim, serviços como compras na internet e assinaturas de serviços digitais foram democratizadas para os clientes que não possuíam um perfil de crédito.

Há cerca de um mês, o Neon (que significa juventude, em grego), lançou no aplicativo do banco uma modalidade de planejamento financeiro e investimento. Chamada de Objetivos, a nova função consiste no auxílio da conquista de sonhos, oferecendo uma educação financeira aos usuários. “Hoje somos um banco símbolo da geração Millennial”, diz Pedro, ao explicar que os produtos oferecidos pela empresa são feitos por jovens e para jovens – que não aceitam mais pegar fila de banco apenas para receber um cartão novo, por exemplo.

Abaixo, alguns números deste primeiro ano de operação do Banco Neon:

“Esperávamos, em um ano, estar com aproximadamente 100 mil pessoas utilizando o Neon, mas os números nos surpreenderam. Foi um crescimento orgânico muito interessante, prova de que o consumidor sentia, de fato, a necessidade de um produto simples, eficaz e totalmente transparente. Outro desafio foi acelerar o lançamento de produtos de acordo com a necessidade de nossos usuários. Estou muito feliz com toda a evolução do Neon”. explica Pedro.

Novidades

Hoje o banco anunciou três novidades que chegarão aos usuários nos próximos meses. A primeira delas, e talvez a mais esperada pelos usuários, é a criação de um cartão de crédito da instituição. “Lançaremos um produto sem mensalidade e anuidade, sempre baseado na transparência que permeia o Neon”, disse o CEO do banco. O objetivo é que o serviço atenda às necessidades dos clientes, mas ao mesmo tempo seja diferente dos já oferecidos no mercado.

A segunda novidade se chama “Conexões”. O foco desta novidade é aliar o banco a outras fintechs e empresas do setor financeiro para gerar produtos que agreguem valor para as pessoas. “Estamos pensando em trabalhar com seguros, câmbio, recarga de celular, bilhete único e gateways de pagamento”, explica.

Por fim, uma das maiores necessidades do banco, o Neon começará a trabalhar também com contas digitais para Pessoa Jurídica. “O projeto com estas empresas já está em fase beta, e temos cerca de 500 empresas nelas. Em sua maioria, startups. A conta para Pessoa Jurídica no Neon segue exatamente os mesmos conceitos de Pessoa Física”, explica Pedro.

“Sem deixar de aprimorar o que já temos, o mercado nos mostrou a necessidade de mirar em novos horizontes. O consumidor PJ, por exemplo, também é muito carente de um bom atendimento, boa interface, e de produtos sem mensalidade, além de taxas totalmente justas” finaliza Pedro Conrade.