Um estudo lançado recentemente pela Visa e a PYMNTS.com, intitulado “How We Will Pay” (Como Pagaremos, em tradução livre), concluiu que mais de 80% dos americanos têm grande interesse em usar dispositivos conectados para fazer compras e estão atentos à questão da segurança e da proteção dos dados. O estudo foi anunciado durante a WIRED Business Conference, onde a Visa apresentou novos parceiros globais de seu programa de provedores de serviços de token.

Mais pagamentos, com mais dispositivos, em menos tempo

À medida que o uso de assistentes controlados por voz e dispositivos de vestir se torna mais comum, os consumidores já entendem como benefícios a economia de tempo, pagamentos com menos fricção e aumento da eficiência na realização de tarefas cotidianas. Esses pontos tornam natural o aumento médio de dispositivos conectados por pessoa na era da IoT para 4,4.

O estudo também confirmou que 83% reconhecem que os dispositivos conectados poupam tempo e reduzem a fricção na hora de compra – criando, subsequentemente, uma experiência de autoatendimento durante o checkout, independentemente do dispositivo ou da plataforma. Essa experiência de compra fluida é algo que interessa a todos os pesquisados, com o pagamento por autoatendimento na bomba de combustível e em lojas encabeçando a lista, tendo sido citado por 40% deles.

Fatos rápidos do estudo “How We Will Pay”:

Ter um dispositivo conectado é uma tendência crescente. O consumidor médio possui 4,4 dispositivos conectados, incluídos aqui os consoles de videogame (47%), monitores de atividade física (41%), relógios inteligentes (15%), assistentes controlados por voz (14%), termostatos conectados (9%) e óculos de realidade virtual (7%).

Consumidores que têm mais dispositivos conectados compram mais. Além disso, consumidores conectados compram mais – e suas compras abrangem mais categorias de produto – do que os que têm apenas um dispositivo conectado, sendo roupas e calçados os itens mais comprados.

Comprar coisas usando um dispositivo conectado é uma prática popular. Em 11 de 19 categorias de produto variadas, como cuidados de saúde, acessórios e alimentos, 50% ou mais dos consumidores estudados tinham feito compras on-line usando um dispositivo na semana do estudo. As três principais categorias foram serviços de viagem, consertos residenciais e entretenimento.

Bancos e redes de pagamento ajudam a reduzir a desconfiança e as preocupações com a segurança

Segundo o estudo, agilidade e conveniência continuam impulsionando a adoção de dispositivos conectados, mas os consumidores ainda dão muito valor aos quesitos confiança e segurança. Um ponto importante é que, quanto mais conectado o consumidor, mais ele se preocupa com sua segurança financeira. Quando questionados sobre suas preocupações, mais de 75% dos pesquisados citaram a ‘privacidade dos dados’, enquanto 69% citaram a ‘verificação e a exatidão do pedido’.

Os pesquisados também confiam mais em bancos e redes para habilitar pagamentos por meio de dispositivos conectados. Mais de 65% citaram emissores de cartão e redes de cartão de pagamento como as instituições em que eles mais confiam para viabilizar essas experiências – à frente de canais de varejo, redes sociais e fabricantes de dispositivos móveis.

“A categoria de dispositivos habilitados para pagar ainda está engatinhando, mas esta pesquisa mostra que o interesse e o entendimento do consumidor em relação ao que essas experiências podem oferecer estão começando a aumentar”, diz Jim McCarthy, vice-presidente executivo de inovação e parcerias estratégicas da Visa Inc. “É inevitável que, à medida que formos trabalhando com nossos parceiros bancários para facilitar a colocação de credenciais de pagamento em dispositivos, alguns novos casos de uso inovadores para o consumidor venham a surgir e comecem a realmente mudar o jogo”.

Sobre o estudo

Como parte do estudo “How We Will Pay”, os consumidores responderam a uma série de perguntas que definiram, de forma específica, padrões de comportamento, hábitos de compra e preferências de compra relacionados ao comércio conectado. O estudo define claramente cinco perfis distintos de usuários, com base em sua idade, região, preferências de compra e níveis de conectividade, fornecendo uma análise profunda de cada grupo. A análise detalhada desses perfis, que variam de Super Connected (ou superconectado), assim chamado o consumidor com o maior número de dispositivos conectados, ao Smartphone Centric (centrado no smartphone), consumidor que só utiliza o telefone celular, estão descritos no relatório completo.

O estudo foi conduzido em maio de 2017 nos Estados Unidos pela PYMNTS.com em nome da Visa e envolveu um painel de aproximadamente 2.600 adultos com mais de 18 anos e usuários de smartphones.