A Vesteer é uma plataforma de e-commerce que funciona como um marketplace. O diferencial da startup, entretanto vai além da tecnologia. A startup oferece online um portfólio de produtos que um vendedor pode personalizar com sua marca ou sua arte. Além de colocar online os produtos do vendedor, a empresa também realiza toda a parte de produção dos itens.

Lá, é possível que uma pessoa que queira lançar uma marca no mercado insira sua arte nos produtos disponíveis e pronto. A partir daí, uma vez disponibilizados para venda, a Vesteer produz os materiais e cuida de logística, atendimento, trocas e toda a parte burocrática que um dono de e-commerce precisa lidar.

“A gente começou lá atrás só com camiseta. Hoje nós temos toda a linha de vestuário e hoje estamos testando outros tipos de produtos, que vão desde canecas e quadros decorativos até canvas”, explica Vinícius Andrade, CEO da startup. Este processo é viável por parte da startup porque não há nenhum produto em estoque. Então, havendo compras por parte da divulgação dos chamados sellers, a Vesteer compra as matérias primas e produz tudo sob demanda.

Início

De acordo com os sócios Vinícius e Douglas Losacco, o modelo de negócio da startup, fundada em 2015, foi inspirado na Teespring, empresa norte-americana que fatura milhões de dólares aproveitando para colocar à venda as ideias, logotipos e slogans inteligentes de designers de camisetas que não conseguem custear a produção própria de suas criações.

Assim como a inspiração dos EUA, o negócio de Vinícius e Douglas é voltado para empreendedores. Curiosamente, entretanto, no início da empresa, o que eles perceberam é que a grande maioria dos sellers que produziam pela plataforma eram de fora do Brasil. “Já temos pessoas de mais de 15 países vendendo para brasileiros: Itália, Escócia, Inglaterra, Irlanda, Rússia, Vietnã, Tailândia, Austrália, Ucrânia, Indonésia, Bangladesh, China… A Europa e a Ásia são muito fortes neste mercado”, explica Vinícius.

Por conta do Teespring, este mercado está muito mais democratizado no mundo. Antes desta startup, explica Vinícius, as pessoas estavam acostumadas a utilizar outros marketplaces para vender produtos que eram previamente comprados em outros países, por exemplo. “Hoje, este modelo ainda não está muito presente no Brasil, não temos muitos concorrentes que fazem o que a gente faz. Nosso objetivo é difundir este modelo para que mais empreendedores saibam que possam abrir suas lojas e se preocupar apenas com a venda dos produtos”, explica.

O cadastro na plataforma da Vesteer é gratuito e não há mensalidade. O valor mínimo dos produtos é de R$30, já levando em conta os custos de produção, logística e lucro do seller. Os usuários da plataforma contam ainda com a Vesteer Academy, nome dado ao auxílio que a startup fornece aos vendedores sobre marketing e vendas, com cursos, blogs e uma série de ferramentas para que os criadores das artes vendam da melhor forma possível.

A partir de agora, os usuários da Vesteer têm acesso as novas funcionalidades, como Analytics (com pixel para Facebook e Google), e-mail marketing para compradores, criação de promoções/cupons de descontos, criação de equipes com níveis de acesso, lojas ilimitadas, ampla gama de produtos disponível para personalizar, entre outros.

Além disso, todos podem participar de um programa de afiliados, que tem o objetivo de ampliar o alcance das vendas. Customizador online em alta qualidade, criação rápida de produtos e rastreio automatizado de pedidos também fazem parte do novo momento da Vesteer.

Vendas

Em agosto do ano passado a Vesteer recebeu seu primeiro aporte, do Distrito Ventures. “Nós investimos porque acreditamos muito na solução que eles nos apresentaram. Eles também estavam tracionando muito rapidamente, o que nos mostrou que a plataforma deles tinha um modelo de negócio muito bom”, diz Bruno Paludo, investidor da startup. Em março de 2017 a startup recebeu mais uma rodada de investimentos do Distrito, com follow on dos gestores.

Em 2016, a Vesteer gerou mais de R$1 milhão para os vendedores de sua solução. Hoje, a empresa fatura perto de R$1 milhão mensalmente. Além disso, sua base de distribuição possui fornecedores em São Paulo e Rio de Janeiro, praças com maior ticket médio e movimentação de produtos. “Sabemos que hoje muitas pessoas vivem só das vendas da Vesteer, e muitas delas ganham muito bem com seus produtos. Para nós é muito gratificante saber que podemos ajudar as pessoas desta forma”, destaca Vinícius.

“Entramos em um novo momento onde o mundo é digital e isso muda a forma de consumo e, consequentemente, de venda. É preciso que as pessoas entendam esse universo para que possam aumentar sua renda e melhorar suas vidas. Queremos fazer parte do sonho das pessoas, sendo parceiros em sua realização”, finaliza o CEO.