* Por Felipe Ferraz

Já faz cinco meses desde que mergulhamos nesse desafio de participar do Startup Chile, e meu sócio Antônio contou sobre algumas experiências e impressões que tivemos. E desta vez, eu, Felipe Ferraz, darei continuidade a saga de compartilhar como nossas experiências no ecossistema de Santiago estão sendo enriquecedoras para o Aussi.

Muitos sócios de tecnologia iniciam suas funções em uma startup com atividades relacionadas à criação do produto e seleção de desenvolvedores para o time, deixando de lado questões como finanças, vendas ou marketing. Se esse é o seu caso ou do seu sócio, o Startup Chile pode ajudar – e muito – nisso!

Mergulhe de cabeça

A imersão em todas as atividades do programa faz com que reflitamos sobre tópicos essenciais sobre o nosso negócio. Precisa elaborar um plano de marketing para uma reunião com um mentor? Se deseja adotar um modelo B2C, então quais estratégias serão tomadas para uma venda mais eficiente?

Com tantos questionamentos dessa natureza  fazendo parte do seu dia a dia, o entendimento de todas as atividades do seu negócio torna-se natural. Não se trata da entrega de documentos especificamente, mas os estruturar e descrever nossos pensamentos, nos ajuda a identificar, principalmente, as áreas nas quais necessitamos despender maiores esforços.

Aproveite as oportunidades

Sessões de mentoria também são essenciais para o início de discussões envolvendo a startup. Com um suporte de 360º, enquanto uns mentores estão totalmente dispostos a te ajudar a iniciar as operações no Chile, outros estão abrindo portas para entendermos melhor nosso público em outro país e até mesmo aqueles que já tentaram o caminho inverso – iniciaram no Chile e tentaram entrar no mercado brasileiro – compartilham suas experiências de sucesso e fracasso para tornar claras as dificuldades que enfrentaríamos. Sem falar das melhorias diretamente sobre o produto, sugestões sobre o pitch deck, aspectos de legalização e muitas outras.

Este conjunto formado pelas sessões de mentoria, pela pressão para mostrar evolução e pelos aprendizados são fundamentais para fazer um melhor julgamento do que realmente importa naquele momento, apontando a startup para direção correta. Mas pode se dizer que o real objetivo do Startup Chile é ensinar as startups como tomarem conta de si mesmas, desmistificando o entendimento do empreendedorismo em todas as dimensões do negócio.

O fim é o novo começo

Estamos entrando na reta final e o aprendizado tem sido enorme! O programa está alinhado com os objetivos dos empreendedores presentes, a comunidade é muito unida e todos queremos terminar centenas de passos à frente do que chegamos. Para isso, também é de extrema importância ter alguém na equipe que ajude os clientes e pessoas de negócios a compreender melhor como a tecnologia pode ajudar no próprio negócio.

A aceleração em Santiago tem tudo para reduzir esse gap presente em muitas startups e eu, como sócio e CTO, me sinto muito mais preparado para retornar ao Brasil e contribuir para a evolução do Aussi com esta visão estratégica e não somente de qualificações técnicas.

Ficou com alguma dúvida ou quer compartilhar sua experiência? Comente aqui que eu respondo! =)


O CTO do Aussi, plataforma voltada para ajudar os empresários de pequeno porte, conectando-os entre si, de forma gratuita, para que possam sanar suas dúvidas, é formado em Engenharia da Computação pelo IME, com passagens no Brasil, no setor de Asset Management, do Banco BTG Pactual e nos Estados Unidos, no Florida Solar Energy Center, instituto de energia solar para produção de células solares de filmes finos. Hoje, com seus parceiros de negócios, passa um período no Startup Chile, juntamente com outras 99 startups, para seguir no desenvolvimento e aprimoramento do Aussi.