* Por Luísa Dalcin

Descubra onde encontrar ambiente, legislação, incentivos e infraestrutura ideais para empreender 
Houve um tempo em que quem queria empreender em tecnologia mirava direto nos Estados Unidos: o grande sonho era o Silicon Valley, mas inúmeras outras cidades americanas também serviam para o propósito. Com o aquecimento de mercados emergentes e o boom das startups, a coisa despolarizou por completo: dá para empreender (e muito bem, obrigado) na Ásia, na América do Sul, na Europa.
Mas não basta ser cool e descolada. Uma cidade, para ser uma boa incubadora de startups, precisa oferecer um ambiente favorável para isso e alto potencial de empreendimento: mão de obra qualificada, um bom cenário econômico, acesso a capital, baixos impostos e baixa complexidade de arrecadação, infraestrutura e investimento em educação, pesquisas e desenvolvimento.
A startup colombiana Viajala.com.br, especialista em viagens, reuniu várias pesquisas brasileiras e estrangeiras da área para eleger as cidades mais promissoras do mundo quando se trata de abrir uma startup.
Estocolmo, Suécia
Na Europa, a emergente Estocolmo, de dois milhões de habitantes, aparece atrás apenas de Londres no mercado de startups. Segundo a revista americana de negócios Fortune, os altíssimos níveis de educação, os sólidos investimentos de programas das áreas de tecnologia, engenharia e economia em encubação e uma boa escola voltada para o empreendedorismo, como a Stockolm School of Entrepreneurship, colocam as cerca de 700 startups high-tech em funcionamento da cidade em grande vantagem. Vieram de lá empresas como a Spotify e a SoundCloud.
Waterloo, Canadá
A revista de negócios nova-iorquina Inc, especialista em mercado de startups, listou no ano passado os hubs emergentes para novas startups e colocou a cidade canadense em primeiro lugar. Conhecida como o “Silicon Valley” local, Waterloo fica em Ontário, no “triângulo tecnológico” canadense e é uma das cidades com a maior concentração de startups do mundo – fica atrás apenas do Silicon Valley original, na Califórnia, Estados Unidos.
Diversos programas de investimento e aceleração, além de uma legislação favorável e de apoio do governo, fazem com que essa cidade de apenas 500 mil habitantes tenha mais de mil startups em pleno crescimento.

Pequim, China

Pesquisas recentes da Seedstars World, empresa suíça que investe em startups e mercados emergentes, e da Startup Genome, organização de São Francisco que estuda números e tendências desse tipo de negócio, colocaram a chinesa Pequim entre as 5 cidades mais promissoras.
Pequim tem o terceiro maior número absoluto de startups do mundo – estimado em 5 a 7 mil – e um ambiente extremamente propício para o crescimento, com mais de 300 espaços de coworking, mais de 70 universidades e 280 institutos de pesquisa científica. E tem investimento interno: em 2015, o próprio governo chinês investiu mais de US$200 bilhões nas startups locais.

Tel Aviv, Israel

A cidade israelense despontou em 6º lugar, logo atrás de cidades dos Estados Unidos, Inglaterra e da própria Pequim, no relatório de 2017 da Startup Genome. Com cerca de 2.500 startups de tecnologia em funcionamento, Tel Aviv tem uma das maiores densidades do mundo. A cidade, apesar de pequena, reúne características importantes para o sucesso de uma startup, como boa educação e forte apoio do governo e dos mais de 300 centros multinacionais de pesquisa e desenvolvimento que atuam em Israel.
Além disso, as forças de inteligência e o desenvolvimento militar israelense também ajudam a injetar milhões em segurança digital, o que aumenta as pesquisas na área e o investimento em startups que fornecem esse tipo de produto.

São Paulo, Brasil

São Paulo é a melhor cidade brasileira para abrir uma startup, segundo estudos recente da Endeavor Brasil, organização de apoio ao empreendedor, e das estrangeiras Inc e Startup Genome. Apesar da crise, a cidade ainda carrega nas costas quase 3 mil startups ativas. Centro financeiro do país e maior mercado consumidor, São Paulo leva vantagem em infraestrutura, desenvolvimento econômico, acesso ao capital e conectividade.

Para a Startup Genome, a cidade reúne o maior e mais maduro ecossistema de startups de tecnologia da América do Sul, e um dos 15 maiores do mundo. Quem prefere menos riscos e um custo de vida mais baixo, pode optar pelas também paulistas Campinas, Sorocaba, São José dos Campos ou Ribeirão Preto, que estão no top 10 da lista da Endeavor. A catarinense Florianópolis ficou em segundo lugar na pesquisa.

* Luísa Dalcin é jornalista e assina pela startup Viajala.com.br